“Desde pequena substituía uma boneca por uma bola”, Carolina Marques, JA Rio Meão

Nome completo: Carolina Andrade Marques

Nome Futebolístico: Carol

Local e data de nascimento: Santa Maria da Feira, 21-09-2000

Nacionalidade: Portuguesa

Profissão: Estudante

Ano que iniciaste a prática futebol federado: 2014

Clubes que já representaste no futebol: Sporting Clube de Esmoriz e Juventude Atlética de Rio Meão

Clube Atual: Juventude Atlética de Rio Meão

Posição específica: Central

Títulos Coletivos Conquistados: 1º lugar num torneio em Cesar

Títulos Individuais Conquistados: Nenhum

Número de internacionalizações: Nenhuma

Clube Favorito: Futebol Clube do Porto

Número Preferido: 11

Jogador preferido: Gareth Bale

Jogadora preferida: Ana Borges

Uma virtude: Determinada

Um defeito: Falta de confiança

1) Como começaste a praticar futebol?

Desde pequena substituía uma boneca por uma bola. Na escola passava os intervalos a jogar com os amigos e em casa tentava arranjar um tempo para dar uns toques, até que, por intermédio de amigos, surgiu a ideia de ingressar uma equipa de futebol federado.

2) De que forma a tua família que apoiou?

Sempre me apoiaram em todas as decisões que tomei, mas olhar para a bancada e ver que estão ali atentos ao que acontece a cada minuto futebolístico que decorre, é uma sensação maravilhosa, pois revelam que sentem o futebol tanto quanto eu. Ainda melhor é, quando se ouve um ‘ Vai Carol ‘… é de certo modo, bastante inspirador, ajudando na minha auto motivação para fazer cada vez mais e melhor.

3) Como te descreves como jogadora?

Não sou mais nem menos que as minhas colegas de equipa, mas considero-me uma jogadora determinada e empenhada, com uma enorme paixão pelo futebol. Reconheço que sou rápida e tenho uma boa colocação em campo e tento sempre realizar as funções de um central para permitir a todas as colegas da equipa realizar as suas próprias funções e jogadas e sentirem-se seguras comigo em campo.

4) Qual foi o melhor e o pior momento que viveste no futebol até hoje e porquê?

Na minha opinião, não existe ‘ o melhor e o pior momento ‘, pois há infinitas situações que ficam recordadas para a nossa história quando se fala em futebol.

Os melhores momentos são sempre aqueles em que passo junto da minha equipa, desde as brincadeiras às desavenças, pois esperamos sempre mais umas das outras, o que significa que acreditamos em todo o trabalho realizado quer coletiva ou individualmente ao longo de uma época.

Os piores momentos foram quando estive lesionada sem poder ajudar as minhas colegas nesta caminhada da equipa.

5) O que te motiva para continuares a jogar futebol?

O facto de querer fazer mais e melhor é uma das motivações para continuar a jogar. Ambiciono chegar o mais longe possível e tornar-me numa excelente jogadora, completa a todos os níveis.

6) Tens alguma superstição ou ritual antes ou depois dos jogos?

Ouvir a música da Marisa – Melhor de mim e entrar com o pé direito em campo são alguns dos meus rituais antes dos jogos.

7) Alguma vez sentiste que o futebol te prejudicava nos estudos ou na tua vida profissional?

Sim, inicialmente era difícil conciliar a prática deste com os estudos, mas com o tempo fui adotando novos métodos, de modo a conseguir compatibilizar a escola com o desporto. É uma questão de saber gerir bem o tempo.

8) A falta de condições e de reconhecimento do futebol feminino é só um problema de dinheiro ou de mentalidades?

Penso que seja um problema de mentalidades.

9) Achas que o futebol feminino ainda está ligado a preconceitos? Porquê?

Infelizmente sim, pois parte da sociedade discrimina as mulheres, dizendo que o futebol é só para homens. Com isto, o preconceito impede com que o futebol feminino evolua, mas apesar destes obstáculos, nos últimos tempos é de salientar que a prática deste desporto por mulheres está a crescer.

10) Qual a tua opinião sobre a atual Liga Allianz como liga semi-profissional em Portugal?

A cada ano que passa, tem progredido notoriamente, incitando mais raparigas à prática deste desporto.

11) Qual o campeonato estrangeiro que mais te atrai?

Liga Inglesa.

12) Até quando pensas jogar futebol?

Até as minhas pernas não poderem mais.

13) O que desejas alcançar nos próximos anos?

Individualmente, desejo adquirir experiência com o decorrer de cada época, de modo a ajudar coletivamente as minhas colegas de equipa a alcançar as melhores (senão a melhor) classificação na tabela no final da época.

AS

Desde sempre que jogo Futebol, mas nunca fui federada. O Portal Futebol Feminino em Portugal entrou na minha vida após uma pesquisa que estava fazer sobre o Futebol Feminino, e então cá estou a colaborar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *