“Futebol feminino do Brasil dá retorno” Por Márcia Oliveira

Se não há um retorno financeiro imediato, se não se dá o respeito em apoio e oportunidade de cidadania em praticar plenamente o esporte, o que resta para a modalidade e nossa seleção?

Não existe ainda um mercado de milhões de dólares ou euros para o futebol feminino. Também não existe ainda a conscientização no Brasil de que investir no futebol feminino dé retorno. Não existe ainda um Brasil consciente de que o futebol feminino é diferente do masculino somente na condição biológica, muscular, e no histórico de progresso, investimento e retorno. O futebol feminino não deve ser colocado para escanteio e tratado com desprezo, isso somente porque a cultura brasileira ainda identifica o esporte com o gênero – masculino.
Temos esperança de que um dia o futebol feminino seja tratado com mais direcionamento, respeito e seriedade. Vale a pena lembrar que outros setores da sociedade e profissão já sofreram com problemas de apoio, respeito, e preconceito. No século passado, a profissão de atriz, que hoje em dia gera celebridades, era marginalizada. Elas eram vistas como uma vergonha para a sociedade, a ponto de suas filhas não poderem estudar em colégio de freiras. Preconceito e desrespeito ao ser humano.
O futebol feminino já está muito além disso hoje, mas já existiram situações parecidas, como padres no interior da divisa de Minas com São Paulo que fecharam a porta da igreja por uma semana, enquanto a seleção feminina estava treinando na cidade. Graças à Deus, esses tempos já mudaram, mas ainda temos muito que buscar.
Esportes em geral, não só o futebol, são instrumento de cidadania. E este também é de consumo e mercado. Esporte é para todos, não importa idade, gênero, e grau de instrução. O futebol é paixão nacional, todo mundo sabe, mas não só os homens têm o direito de ser vistos como os únicos que possam praticá-lo e ser valorizados por fazê-lo.
O esporte hoje, é um dos mais importantes instrumentos de cidadania. Mas o que tem isso a ver com apoio e retorno no futebol feminino? Muito. Veja neste artigo vários documentos de apoio e planejamento da Fifa, incluindo a afirmação de que “futebol é para todos” pelo dirigente da entidade maior do futebol.

Simpósio de Futebol Feminino da Fifa. Mensagem “Futebol é para Todos” (Joseph S. Blatter)
Enquanto a Fifa entende que deve existir apoio e trabalho em conjunto com as federações nacionais, sendo a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) uma delas, para promover o futebol feminino e aumentar o número de envolvimento no esporte de meninas e mulheres (técnicas, árbitras, administradoras e dirigentes das entidades do esporte), outras situações no Brasil parecem exemplificar que isso é bem dificil de se tornar possivel.
Um dos problemas existentes é ver que, segundo uma rádio nacional comentou, gasta-se em um mês com um jogador ídolo da torcida do Santos,o que se gasta em um ano com o time feminino do mesmo clube. Isso é um absurdo! É triste e tremendamente decepcionante saber disso. Nada contra o jogador, ídolo da torcida, mas é uma vergonha que um clube tenha a coragem de acabar com o time feminino por “falta de patrocínio”, com uma despesa desse tipo somente para um dos seus jogadores. Essa balança certamente está errada, enquanto há outras prioridades e importância para o sustento do futebol feminino.
Então, o que fazer quando o interesse de dirigentes que entram ou saem são diferentes, quando presidentes de clubes têm uma visão somente focada em negócios, podendo ser a favor ou contra esse ou aquele esporte, podendo ter uma estratégia ou não de apoiar e investir no futebol feminino? Eles têm o total poder de decisão. Eu escuto falar de dirigentes e pessoas de investimento que o futebol feminino não dá dinheiro e que não existe interesse. Pois bem, veja o quadro abaixo de uma pesquisa da Fifa:
 
Simposio de Futebol Feminino da Fifa em 2011. O Brasil é primeiro em interesse de participação. 39% dos intrevistados dentre 15,402 cidadãs de cada pais, entre 16-69 anos de idade.
Segundo essa pesquisa, o Brasil vem em primeiro lugar em interesse em participar no futebol feminino, mas as oportunidades são muito poucas, e os dirigentes acreditam que não vai dar certo, não se tem interesse e, consequentemente, retorno. Com tão pouco times de futebol feminino no Brasil, e muito menos em times de expressão nacional, como solucionar essa questão e aumentar o apoio e a atenção no futebol feminino? Interesse existe!
Eu tenho a plena certeza de que não adianta somente criar times de futebol feminino Brasil afora. Não adianta somente criar uma coordenadoria para o futebol feminino no Governo Federal, como também não adianta somente procurar patrocínio para manter times. A qualquer hora tudo isso acaba.
Então, o que adianta? Será que outros paises têm mais apoio e respeito. Será que fizeram diferente para manter o crescimento e solidificar o esporte no país no presente e para o futuro? Ou simplesmente, o que adiantaria, seria as atletas irem procurar esse apoio no exterior, jogar fora do país, e deixar uma seleção sem as atletas mais talentosas?
O futebol feminino dos Estados Unidos no seu começo teve seus momentos de tensão e problemas. Elas já mostravam que tinham muito mais potencial em âmbito mundial do que a seleção masculina, e até hoje isso acontece. Mesmo assim, no seu início, elas tinham muito menos apoio que a masculina, mesmo ganhando uma Copa do Mundo.

O Jornal Los Angeles Times escreve sobre a greve da seleção feminina dos EUA por causa da falta de apoio e reconhecimento.
As jogadoras resolveram, então, agir, juntamente com suas familias e público em geral, que deram apoio à ação delas. As jogadoras não atenderam a convocação da federação, resolvendo fazer greve e se ausentando de participar da seleção. Elas reivindicaram apoio, respeito e ajuda para poderem continuar a crescer no seu potencial e ter uma sustentação. Sofreram muito, mas conseguiram ter a atenção, apoio e, acima de tudo, continuar a praticar o esporte e representar o seu país com dignidade de cidadania e valorização. Você pensava que tudo foram “flores” ou uma maravilha para a seleção dos EUA, que tem sido uma das melhores equipes dos últimos 20 anos? Não.

A impressa americana cobre a seleção feminina de futebol feminino com naturalidade, fazendo marketing, negócios e dando visibilidade.
Outros países, como os europeus, também tiveram as suas lutas e agora têm todo um sistema que confere estrutura, mas que ainda tem muito a melhorar.
E o Japão? Atual campeão mundial, ganhando justamente dos EUA e da Alemanha no Mundial do ano passado: será que tudo foi sempre perfeito por lá para o futebol feminino? Também não.
Tudo começou com um sonho há 30 anos na federação japonesa. Melhores resultados foram conquistados com muito esforço, conscientização e, acima de tudo, estratégia e execução do planejamento. Um planejamento e investimento no futebol feminino para que em 10 anos eles pudessem ser campeões mundiais da categoria. Apesar da pouca credibilidade do esporte, pois nunca chegou entre os quatro finalistas nesta competição, o Japão aconteceu em 2011 no cenário mundial do futebol feminino. Terei o prazer de colocar detalhadamento todo esse planejamento do Japão em outro artigo.
No Campeonato Mundial da Alemanha, nem eu acreditei quando vi a equipe nipônica campeã do mundo! Eu estava lá, no estádio em Frankfurt, e meus olhos não podiam mentir. Isso me deixou muito feliz de ver que tudo é possivel quando se quer e se faz acontecer, com apoio e direcionamento. Com planejamento, incentivo e profissionalismo. De quebra, a jogadora do Japão, Homare Sawa, ganhou o prêmio Bola de Ouro 2011 da Fifa como melhor jogadora do mundo, deixando Marta em segundo lugar.

O time feminino do Japão campeão do mundo em 2011.
A Fifa tem verbas destinadas a cada federação nacional (no Brasil é a CBF) para dar apoio financeiro ao futebol feminino. A verba não é suficiente para tanto; é preciso que o governo, clubes e outras entidades possam investir também. O presidente da Fifa já declarou que ver o futebol feminino como o esporte do futuro. Já na CBF, um supervisor da seleção feminina afirmou que se não fosse por essa verba e apoio da Fifa, a entidade já teria acabado com o departamento em questão.

Simposium da FIFA mostrando a verba total para investimento de 2012-2015 para o futebol feminino.
O gráfico acima mostra o planejamento que tem sido feito em apoio às federações nacionais, nas áreas de promoção, programas de desenvolvimento e programas de suporte ao desenvolvimento de competições no futebol feminino. O total calculado é em dólares e tem sido repassado também em anos anteriores.
As mudanças com apoio e melhores condições para a seleção brasileira já melhoraram muito desde 2004. Existiu um fator fundamental na arrancada do futebol feminino da seleção que se chamou professor René Simões. Ele mostrou respeito às meninas e buscou esse apoio financeiro para elas. Para aumentar a condição de cada uma das jogadoras de ter uma performance de alto nivel, para aumentar a auto-estima, e para fazer um trabalhar melhor, René exigiu consultas para elas com ginecologistas, oculistas, dentista, fisiologistas, e psicólogas, além do tradicional tratamento fisioterápico. René exigiu também trabalhar com profissionais do mais alto nivel, que dariam a atenção necessária à seleção como um todo, holisticamente, enquanto ele melhorava o desempenho delas no campo, com conceitos modernos, organização, e conjunto.
Com isso, ele direcionou, treinou e conseguiu resultados de alto nível. Na sua programação precisou de jogos amistosos, jogou alguns contra times masculinos no Brasil por não terem equipes femininas de qualidade.
Trouxe a seleção feminina para os EUA em 2004 para um jogo contra a seleção americana em preparação para as Olimpíadas. A federação americana estava pagando as despesas de viagem e hospedagem para a seleção do Brasi. René me contatou para eu conseguir alguns amistosos com times femininos locais, antes de enfrentar a seleção da casa. De modo geral, a CBF não dá condições ao futebol feminino fazer amistosos fora do país com outros países, a não ser que o Brasil seja convidado, e tenha despesas pagas.
A jogadora Cristiane, em uma entrevista no começo de 2012, ao Globo Esporte, reafirmou que só com convites pagos a seleção faz amistosos preparativos. A federação americana pagou para trazer a seleção do Brasil, e eu consegui apoio e despesas pagas de hospedagem, alimentação e condições de treino por 15 dias, incluindo os três amistosos que o René queria contra equipes de universidades dos EUA. Um apoio financeiro de aproximadamente 60 mil dólares para toda essa logística, e vindo de empresários e de pessoas que apoiam o futebol feminino neste país. O meu trabalho, diga-se de passagem, foi de graça em prol do futebol feminino brasileiro.
Foi o começo de uma brilhante jornada, que René relata no seu livro “O dia em que as Mulheres Viraram a Cabeça dos Homens”, se referindo ao futebol feminino que tinha, enfim, chamado a atenção da nação, na final das Olimpíadas de Atenas em 2004.

René e a seleção feminina na comemoração da medalha de prata olímpica de Atenas.
Outras coisas tristes acontecem no futebol feminino do Brasil que nem sempre têm a ver com treinamento, mas com atenção, planejamento e direcionamento. Certa vez conversei com umas das jogadoras e ela me disse que muitas delas na época atenderam a convocação da seleção por necessidade para dar às suas famílias algum dinheiro que recebem de diárias, e por isso atendiam a todas as convocações, ano após ano. Perdem aulas e anos de escolas servindo a seleção brasileira e quando deixam de ser chamadas por estarem mais velhas, já não têm como terminar os estudos e prestar um vestibular para ter uma profissão e melhorar de vida. Anos dedicados à seleção nacional e um futuro comprometido à pobreza. Triste. Me emocionei.

A serviço da US Soccer em 2008 (sou a primeira à direita, agachada), coordenei atividades de logística com a seleção feminina do Brasil para jogos amistosos contra os EUA
Se não há um retorno imediato em dólares e euros, se não se dá o respeito em apoio e oportunidade de cidadania em praticar plenamente o esporte, o que resta para o futebol feminino no Brasil e indiretamente para a seleção brasileira? Como que com muito pouco ainda conseguimos ir a uma Olimpíada, ao Mundial, e conseguimos resultados bons com os técnicos René Simões em 2004, e Jorge Barcellos em 2007 e 2008?
Em entrevista no dia da entrega da Bola de Ouro de 2011 na Fifa, o técnico do Japão, Norio Sasaki, foi perguntado por um jornalista brasileiro o que ele achava que o Brasil deveria fazer para manter uma continuidade de progresso com o futebol feminino, uma vez que o Japão havia tido esse planejamento e continuidade. Ele respondeu que o Brasil tem um potencial técnico extraordinário e no passado teve melhores resultados quando jogou um futebol moderno e muito próximo do melhor estilo do masculino. Ele via que o Brasil, como outros países, tem que continuar a jogar esse futebol moderno.
Temos que dar todo apoio possível para o experiente Jorge Barcellos, que voltou à seleção brasileira no final de 2011, ganhando o torneio Cidade de São Paulo. Ele tenta levar o Brasil de novo, e talvez a um patamar mais alto neste ano de Olimpíadas. Condição que, indiretamente, pode ajudar o futebol feminino do Brasil em geral.

Barcellos com a seleção em 2007-2008 (acima) e rumo às Olimpíadas de Londres

A Fifa tendo seus objetivos que são repassados às federações nacionais também tem uma missão que é clara, precisa e óbvia. O documento da entidade abaixo fala da missão de “desenvolver o jogo (o esporte futebol feminino), influenciar o mundo, construir um futuro melhor”. Se esse objetivo for levado realmente a sério, estrategicamente, muitas jogadoras terão “esse futuro melhor”.
 
Não temos uma base maior com clubes de nomes no país para sempre colocar mais e melhores jogadoras na seleção. Não temos um sistema que dá a base à seleção nacional como os EUA têm, com mais de mil universidades com times de futebol feminino, de primeira, segunda e terceira divisões.
Com essa falta de apoio, visão, coordenação e investimento, muitas das melhores jogadoras do Brasil jogam no exterior. Por clubes estrageiros ou universidades americanas.
A pergunta se repete: como ainda conseguimos o vice-campeonato mundial e medalhas de pratas entre os anos de 2004 a 2008 sem uma base de sustentação maior, sem a ajuda de clubes e do governo? Além da capacidade extraordinária dos técnicos aqui citados, tem sido sem igual e impressionante a garra que as atletas tiveram para buscar o máximo que puderam até agora. Elas têm que manter o melhor de si sem a estrutura de clubes necessária e ter uma grande responsabilidade de exercer uma função positiva no futebol feminino. Muitas vezes arriscando o próprio futuro. Como o professor René Simões uma vez falou, “essas meninas valem ouro.”
Sabemos que os EUA têm grandes vantagens. Eles têm uma lei federal chamada “Title IX” (Título 9). Essa lei dá sustentação a essa vantagem. A lei faz com que cada instituição educacional ou esportiva que recebe verbas do governo ou que são isentos de impostos tem que dar apoio a modalidades esportivas no feminine, como também dar oportunidades de bolsas e verbas para as meninas em escolas e mulheres em universidades. Muitos administradores tentaram burlar a lei e acabaram sendo processados pelas familiass e governo, e perderam as verbas ou benefícios governamentais, até ficando sem poder de funcionamento com as suas instituições.
Crescimento de seleções nacionais e jogos internacionais desde 1971. De três seleções em 1971 para 141 seleções em 2010
Desde a criação desta lei em 1970, as coisas mudaram para o esporte feminino nos EUA e no mundo, coincidentemente ou não. Nos EUA, as meninas e mulheres têm mais oportunidades de exercer os seus talentos, serem tratadas melhor e com atenção, sem preconceito ou despreso; são respeitadas como pessoas que têm o interesse e o talento de praticar o esporte. São, em primeiro lugar, cidadãs. Afinal de contas, as mulheres também pagam impostos.
No solo americano, há times de futebol feminino nos colégios de ensino médio, e em mais de 1200 universidades e faculdades em todo país. Também há um pequeno número de clubes espalhados pelo país inteiro tendo o seu próprio sustento, treinando e orientando atletas a ganharem bolsas de estudo em universidades, que formam a base da seleção nacional.
Os clubes da liga profissional americana contratam atletas da seleção nacional, mas cada um só pode ter no máximo duas atletas que atuam no momento pela seleção dos EUA; somente três de seleções estrangeiras, e preenchem o restante do seu elenco com atletas do mais alto nível das universidades. Dessa forma, nenhum time tem hegemonia, e não centraliza todas as melhores jogadoras em um time, sem enfraquecer os outros. Com isso, eles tentam equilibrar a balança para faver o esporte e o clube crescer.
Mesmo podendo ter atletas de universidades, a liga americana zela em somente deixar fazer parte de times profissionais as atletas se já tiverem terminado o seu curso superior ou estão próximas a terminar. Eles respeitam e preservam o devenvolvimento do esporte e da atleta. Tudo ao seu tempo.
Essa liga ainda tem muitos desafios com a manutenção de times por causa da recessão mundial. Ela foi lançada justamente em momento crítico no mundo, mas ainda continua tentando manter a sua sustentão nesses tempos difíceis.
A seleção nacional americana dá apoio a seleções de base no feminino, com centro de treinamentos em diversas partes do país e planejamento estratégico durante alguns períodos do ano. Acima de tudo, paga mensalmente aproximadamente USD$ 4,200 (quatro mil e duzentos dólares) a cada jogadora na seleção principal. A maioria delas já terminou a universidade quando serve a seleção. Neste exato momento, a US Soccer lançou um planejamento de 20 anos em tornar o país um dos melhores do mundo também na sua condição técnica, antes sustentando a sua filosofia na condição tática e fisica, pois viu na derrota para o Japão o valor desse planejamento. Escreverei um artigo também sobre o planejamento nacional dos EUA lançado em 2012.
Além disso, impressa, televisão e outros instrumentos da midia dão o apoio e visibilidade de forma muito natural, facilitando o investimento das empresas no esporte. Esse video abaixo, é uma mensagem de final de ano da federação americana de futebol, mantendo a visibilidade da sua seleção, que apesar de apenas conquistar o vice-campeonato mundial em 2011, teve a sua imagem e apoio ainda mais valorizados.
Os EUA também lançaram um video mostrando uma combinação da seleção masculina com a feminina, uma mensagem em conjunto. Está disponivel também no Youtube.
Na Alemanha, há clubes de futebol feminino em clubes de “camisa” do masculino. Os clubes com futebol feminino recebem a verba repassada da Fifa pela federação e contam com patrocinadores. Essa ajuda dos parceiros para o feminino é em menor escala que o masculino, mas existe. A seleçao feminina alemã também tem planejamento de treinamentos no calendario a curto e longo prazo, inclusive para as seleções de base com apoio da federação e governo.
Certa vez, durante um congresso de técnicos nos EUA (NSCAA – National Soccer Coaches Association of America), a ex-jogadora da seleção alemã, Steffi Jones, sentou em uma cadeira à minha frente, em uma reunião dos dirigentes e técnicos do Desenvolvimento Olímpico dos EUA (ODP – Olimpic Development Program).
Conversamos muito sobre como a Alemanha estava buscando melhorar o trabalho com o feminino, e ela me falou que estava ali para aprender e saber mais sobre como os EUA fazem para promover e desenvolver o futebol feminino melhor. Humildemente buscava ideias e informações para colocar em prática um plano estratégico para o futebol feminino do seu país.
Steffi Jones (à esquerda), ex-jogadora da Alemanha e que foi presidente do Comitê do Mundial em 2011
Hoje, na Alemanha, as atletas das seleções de base têm treinos mistos com equipes masculinas usando duas jogadoras por vez em cada treinamento, para melhorar a capacidade e potencial da equipe feminina, sem preconceito ou separação. Um trabalho de profissionais em conjunto, filosofia da federação alemã (DFB – Deutscher Fussball-Bund). Outra coisa interessante é que as seleções femininas de base têm alojamentos durante parte do ano em diversas partes do país, próximos dos centros de treinamento e com outros serviços para a atleta.
E os estudos? Esses centros de treinamento da federação alemã em conjunto com o governo possuem escolas locais e acompanhamento educacional da federação para as atletas não perderem o ano. Em 2011, eu visitei um desses centros, localizado no Estado de Saarland, Sul da Alemanhã. Ao lado do centro de treinamento, tinha também uma faculdade de Educação Física. Perfeito!

Um dos centro de treinamento de futebol feminino da federação alemã. Campos, prédios educacionais, mapa das regiões de atuação da federação e calendário anual na sala da administradora do projeto, a ex-jogadora da seleção alemã, Margret Kratz (parte de baixo da foto, à minha esquerda).

A visibilidade do time principal da Alemanhã também é grande, e eles foram mais além. Colocaram vídeos em rede nacional mostrando o apoio do futebol masculino a elas, de uma forma muito bem humorada. Veja abaixo:
Essa visibilidade e apoio da seleção masculina ajudam toda a nação, culturalmente, e em investimentos.
Sabemos que outros países têm os seus planejamentos e estão chegando melhor no ranking, e muitos outros têm muito menos que o Brasil. Mas o que mais importa é se estamos dando o apoio que devemos e o que se é necessario. Condições, nós temos.
Como solucionar a questão do Brasil ou melhorar aos poucos o planejamento para continuar a progredir? Seria obrigar os dirigentes a pagarem milhões a cada jogadora em times pelo país? Seria ter o mesmo que o masculino tem? Seria ter que dar total apoio e atenção ao futebol feminino no momento?
Claro, tudo isso seria bom, mas não é realístico pensar ou querer assim. Quando queremos direitos, não podemos esquecer de deveres. Vivemos numa sociedade moderna, de negócios, de investimento e de retorno. Times profissionais têm que produzir e “vender” uma marca, produtos, serviços. Temos que ter um esporte atraente em níveis técnicos e profissionais. Temos que ter uma imagem positiva e responsável.
Antes de pedirmos alguma coisa, temos que mostrar que somos sérias nos nossos objetivos. Interesse, habilidade e garra nós temos. Precisamos de estrutura, administração e investimento para exercer melhor as funções de alto nivel e dar retorno. Somos e lidamos com cidadãos que são também consumidores. É uma responsabilidade mútua dos dirigentes e atletas.
Acho que a seleção e o futebol feminino no Brasil já mostrou muito isso e devemos aos poucos conquistar melhores condições para dar o retorno devido. O interesse é grande, o número de participação e de formadores de opinião continuam crescendo. Veja abaixo outro dado da Fifa em participação de mulheres no futebol feminino:


Gráfico de aumento de participação de atletas no futebol feminino no mundo. 29 milhões atualmente, um crescimento de 32% desde 2000
Com certeza, não se faz nada bem feito de uma hora para outra. Isso leva tempo para mais apoio, para alcançar metas e progredir continuamente. Uma vez que isso foi conquistado, não dá para esperar mais e “viver de promessas”, como falou a goleira Andrea em entrevista na volta do Mundial 2011. O futebol feminino do Santos e alguns outros times que já mostraram que têm objetivo, talento e conquistas, não podem ficar sem apoio e simplesmente acabar.
Aqui, estão algumas possiveis soluções e alternativas para o futebol feminino no Brasil:
Primeiro, a iniciativa tem que partir do governo em criar leis que conscientizem e incentivem os clubes de nome, ou de “camisa”, a ter um departamento de futebol feminino. Eles teriam que ter pelo menos uma ajuda de custo (alimentação, transporte, assistencia médica e comissão técnica preparada profissionalmente, conhecedora da atleta feminina). Além disso, o governo deve promover mais isenção de impostos a entidades privadas para maior investimento e patrocínio.
Segundo, o governo deve trabalhar em conjunto com a CBF, para tratar a seleção feminina do país com cuidado e atenção especial, sempre. Esta, por sua vez, a CBF, planejando e executando melhor o calendário da seleção e dos clubes como faz com o masculino, repassando os investimentos da Fifa estrategicamente, tendo profissionais do mais alto nível nas suas comissões técnicas, e usando de um planejamento vertical entre a seleção principal e as de base no feminine, também.

Fiscalizar, cumprir e direcionar com profissionalismo a educação e o futuro da atleta que escolhe para representar o país. Neste outro documento da Fifa abaixo, estão os objetivos para suas federações associadas: MAs – Member Association(s), no nosso caso, CBF.

Objetivos da Fifa a serem cumpridos pelas federações nacionais.
O documento mostra os objetivos traçados pela Fifa para as entidades do esporte nacional aumentarem o seguinte:
– Número de meninas jogando futebol
– Número de clubes femininos com time principal e de base
– Número de ligas e campeonatos (regional, nacional, e por idade)
– Número de mulheres apitando jogos
– Número de técnicas mulheres no comando de equipes
– Número de mulheres em cargos de administração e comando na seleção nacional
– Número de mulheres na federação nacional no conselho de administração junto à presidencia, também na comissão executiva, e em outros cargos de decisões administrativas
– Número de mulheres em cargos de administração nas federações associadas a CBF (federações estaduais).
Como posso imaginar, você deve estar pensando: “isso a gente não vai ver acontecer nunca, porque temos um país machista”. E eu digo: “Nada é impossivel, basta acreditar e trabalhar”.
Com certeza, orgãos do governo, como a recente criada coordenadoria do futebol feminino no Ministério dos Esportes, pode e deveria começar a reinvidicar esse tipo de apoio junto à CBF. Com isso, incentivar as federações e dar oportunidades para mulheres atuarem como árbitras, técnicas, e preparadoras físicas, conferindo mais uma opção de trabalho e espaço àquelas que se interessem, principalmente as que tenham sido jogadoras, para no futuro passarem as suas experiências no esporte e servir de exemplo.
Esse problema não é só no futebol, não. É muito dificil ver mulheres no comando das seleções nacionais ou em cargos administrativos que tomam decisões que afetam as mulheres, em qualquer esporte no Brasil. A unica exceção de que tenho conhecimento é da ex-jogadora Hortência, do basquete, que tem cargo administrativo na CBB (Confederação Brasileira de Basquete).
Essa falta de oportunidades para mulheres exercerem cargos junto às federações e clubes é bastante diferentes em outros países, como EUA, Canada, Alemanha, Suécia, Inglaterra e outros, que têm treinadoras, dirigentes e mulheres em cargos de comando no futebol feminino. Para que isso aconteça, tem que se dar oportunidade, treinamento e respeito à profissional.
Terceiro, incentivar por meios de verbas e concessão de bolsas de estudo para universidades aqueles que prestaram serviços ao país em seleções, como o Bolsa Atleta já implementado. Abaixo, um vídeo raro de incentivo ao futebol feminino, e mais raro ainda por ter um cunho educacional para o futuro profissional da estudante-atleta.
Quarto e último, mas talvez o mais importante, é que o governo possa promover uma conscientização por meio de propaganda e serviços nas áreas de esportes e recreação, em comunicação nacional, apoiando a prática de esportes para todos, e principalmente a mensagem de que o futebol não é sinômino de esporte para homens. Muitas mulheres vão aos estádios assistir jogos. Por que elas podem pagar e assistir a jogos, mas não há oportunidade suficiente e apoio para jogar e no futuro atuar como profissional?
Um país do presente e do futuro se faz com apoio mútuo e respeito ao ser humano, e ao cidadão. Isso é parte de uma condição de cidadania e reconhecimento que sem o apoio das mulheres e o apoio dos homens para com elas, um país não continua a progredir.

O que precisamos fazer não é tão difícil assim. Veja a seguir mais um gráfico simples da Fifa mostrando onde devemos investir sempre, tendo um grande objetivo de participação, estabelecendo programas de base.

“What you can do” (O que você pode fazer): o que nós e administradores podemos fazer pelo futebol feminino é estabelecer projetos de base para crianças, criar ligas e campeonatos, para poder aumentar patrocínios
Em resumo, enquanto muitos governos já se conscientizaram que países fortes e de potencial só se fazem com respeito a cidadania para todos – homens, mulheres, crianças e idosos –, eu acredito que o Brasil está aos poucos neste caminho, fortemente, e pode alcançar essa conscientização rapidamente, tendo em vista que já elegemos uma mulher como presidente.
Marta, em entrevista antes da festa da Bola de Ouro 2011 da Fifa cobrou mais envolvimento do governo brasileiro, da CBF, e das televisões e da mídia. “O interesse tem que partir de todos, da imprensa, porque sem ela não há interesse de patrocínios, das televisões, do governo, da confederação. Então, são muitas pessoas envolvidas que podem fazer algo para estruturar melhor o futebol feminino no Brasil”, desabafou a atleta brasileira, cinco vezes a melhor do mundo.
É com certeza um conjunto de coisas, que simplesmente se traduzem em melhorar a cultura e a política inserida nelas.

A Presidente Dilma recebe a visita da jogadora Marta em 2011
Neste momento, tomo a iniciativa de colocar em prática um sonho antigo de poder ajudar um pouco mais o futebol feminino do Brasil.
Lançarei em fevereiro um site com um projeto que une talento com educação, através do futebol do Brasil, para vir jogar nos EUA, uma potência mundial também nesta área.
Com isso, vou procurar encaminhar jogadoras para vir jogar aqui em qualquer universidade que ela possar ser admitida a atuar esportivamente e estudar, com bolsa, dando oportunidade de um futuro melhor com formação universitaria. Esse é meu compromisso e minha missão de tentar dar um pouco mais apoio ao futebol feminino do Brasil.
Neste projeto, cada jogadora estará elegível para essa oportunidade somente quando terminar o ensino médio, apesar de que as preparações devem começar muito antes. Com isso, quero incentivar mais meninas a jogarem futebol no Brasil e serem criados projetos de base, levando a sério os estudos até o termino do ensino médio.
Também, isso pode conscientizar os pais a verem que futebol feminino “dá futuro”, e não é um esporte somente para homens, não. Um futuro que pode valer mais que milhões de dólares e euros, direcionar vidas, ajudar familias, realizar sonhos esportivos e profissionais.
Eu acredito que, com isso, eu possa ajudar também o futebol feminino do Brasil neste momento, e aos poucos tentar conscientizar que existe um grande valor no esporte e para a educação. Sabemos que desse mundo não se leva nada, e se pode deixá-lo um pouco melhor do que encontramos.
Fique à vontade para se comunicar comigo e obter mais informações e tecer comentários: marcia.oliveira@me.com.
E não esqueça: a partir de fevereiro 2012, acesse o site www.coacholiveira.com para mais uma opção de investimento no seu futuro, ou para outras jogadoras de futebol.
O futebol feminino do Brasil já dá certo e dá retorno!
*Bachelado em Psicologia e Educação Física – University of Mary Hardin-Baylor, 1995; Mestrado em Educação Fisica & Pedagogia – University of Northern Colorado, 1998; Doutorando em Educação – Sam Houston State University, 2012 

Quero agradecer a minha amiga e conselheira Márcia pela matéria espetacular, e que o blog estará sempre de portas abertas para iniciativas como esta. Beijos Laylla da Cruz.
In http://umavidacomfutebolhifi.blogspot.com/

Sandra Costa

O futebol faz parte da minha vida. Desde cedo que jogo futebol e decidi criar o Portal Futebol Feminino em Portugal porque senti que ninguém conhecia, sabia ou falava de futebol feminino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *