Quo vadis seleção nacional feminina? por Maria João Xavier

Foto: FPF

Já ando há uns dias a pensar um texto direccionado para a evolução evidente da nossa seleção nacional feminina quando, nem de propósito, é divulgada a atualização do ranking FIFA, com a subida de dois lugares (de 38º para 36º).

Esta coisa de rankings nem sempre refletem o que se passa no terreno de jogo (quem não se lembra do Portugal – Itália, em que esta última não saiu cilindrada do Estoril por manifesta falta de eficácia das nossas jogadoras) e nem tão pouco o crescimento sustentado das diferentes seleções.

Como aqui chegámos? Para tal precisamos de recuar um pouco no tempo para encontrar uma resposta que tenha alguma credibilidade e possa, efetivamente, contribuir para a explicação do que estamos atualmente a assistir com a nossa seleção feminina mais representativa.

 

Jornal ‘A Bola’ de 09/03/2015


Se bem se recordam, em 2015, foi apresentado no Algarve o Programa Estratégico para o Desenvolvimento do Futebol Feminino (PEDFF), onde constavam as linhas mestras do que era preciso desenvolver, no imediato, para que fosse possível dar o passo seguinte desta modalidade que nos apaixona. A ideia era avançar com a entrada direta de clubes que competiam à data na Liga masculina através de convite a remeter pela FPF. A questão não foi de fácil aceitação por parte dos clubes que estavam no Campeonato Nacional da 1ª divisão, competição que viria a ser sucedida pela Liga Allianz. Adicionalmente a esta medida (a mais polémica, sem dúvida) outras estavam plasmadas no referido documento e já são uma realidade (por exemplo, Campeonato Nacional de Juniores e a criação da Supertaça Feminina).

O aumento do número de jogadoras também era um dos pontos chave do PEDFF e, ao fim de 3 anos, também essa realidade já é bem visível e traduzida em números (na última época observa-se um crescimento em 35,2% no número de praticantes, como se pode observar na imagem abaixo e informação solicitada à FPF).

 

PrintScreen do sítio da FPF (http://indicadores.fpf.pt/)

Em 2016/2017 arranca a 1ª edição da Liga Allianz com a entrada direta do Sporting CP, SC Braga, o GD Estoril Praia e o CF “Os Belenenses” (clubes que aceitaram o repto da FPF), juntamente com os clubes que transitaram do Campeonato Nacional da 1ª divisão e os que subiram da divisão inferior.

Com a entrada, especialmente, do Sporting CP e o SC Braga, assiste-se a um fenómeno que consistiu no regresso de um conjunto de jogadoras que evoluíam em campeonatos bem mais competitivos que a nossa Liga Allianz. Ainda serão precisos mais uns anos para que esta seja competitiva o suficiente para termos mais que duas equipas a lutar pelo troféu e o desnível entre equipas não seja tão acentuado, como se verifica atualmente.

Mas, retomando rapidamente a tentativa de explicar como chegámos ao patamar em que nos encontramos atualmente, além das medidas institucionais por parte da FPF, é preciso salientar alguns aspetos:

  • desde 2015, que a seleção nacional tem uma base mais ou menos fixa de 15/16 jogadoras que estão sempre presente em todas as convocatórias (salvo motivo de lesão) e que têm crescido internacionalmente em conjunto (Patrícia Morais, Carole Costa, Matilde Fidalgo, Mónica Mendes, Sílvia Rebelo, Carolina Mendes, Cláudia Neto, Dolores Silva, Fátima Pinto, Vanessa Marques, Ana Borges, Diana Silva, Tatiana Pinto, Jéssica Silva, Laura Luís e Raquel Infante) e, ao mesmo tempo, vai integrando outras de forma a que o leque de escolha seja cada vez mais alargado. Além disso, algumas destas jogadoras já tinham participado no Europeu sub 19;
  • de todas as acima referidas, poucas são as que não jogaram nos campeonatos mais competitivos e, como tal, desenvolveram capacidades e competências adicionais para lidar com competições mais exigentes;
  • à medida que estas jogadoras foram crescendo e ganhando experiência internacional, a seleção nacional começou a ter mais argumentos para crescer;
  • o regresso de muitas jogadoras a Portugal para o Sporting CP e SC Braga fez com que a Liga Allianz tivesse um incremento na qualidade das praticantes. Obrigou, especialmente este dois clubes, a olhar para o futebol feminino de forma séria e profissional, dotando-as com as melhores condições existentes para que o seu desenvolvimento e crescimento não fosse interrompido. Poder jogar futebol (ou qualquer outra modalidade) profissionalmente é uma mais-valia enorme. Tomando, por exemplo, as convocatórias para a Algarve Cup dos anos 2015, 2016, 2017 e 2018 constatamos a diminuição do número de atletas que jogam no estrangeiro (11, 13, 10 e 6, respetivamente). As convocatórias nos dias que correm são dominadas por estes 2 clubes, que revela o trabalho de elevada qualidade que é desenvolvido por ambos. Manter as jogadoras motivadas e focadas numa competição com pouca competitividade não será tarefa fácil. Mas, a realidade é que na prestação individual de cada jogadora ao serviço da seleção nacional não se nota diferença (física e técnico-tática) entre as jogadoras convocadas oriundas de campeonatos mais competitivos;
  • entre 2015 e 2018 (até ao dia de publicação deste texto, além dos jogos oficiais e da Algarve Cup), Portugal realizou mais 16 jogos particulares tendo em vista as qualificações que decorriam nesses anos (2015: 6; 2016: 2; 2017: 6 e 2018: 2). Toda esta preparação e competição internacional contribuiu grandemente para o crescimento da seleção nacional, criando cada vez mais rotinas e melhorando estratégias competitivas, tornanando a equipa cada vez mais competente e com recursos variados. O compromisso da direção da FPF na promoção do futebol feminino começa a ter o retorno visível para bem de todos os atores envolvidos;
  • a participação na fase final do EURO2017 foi o culminar do crescimento que se vinha, ainda que timidamente, a assistir mas que já tinha deixado boa impressão na fulgurante fase final da qualificação e, posteriormente, nos jogos de playoff contra a Roménia, antevendo-se que o melhor estaria guardado para o futuro próximo;
  • quem estiver atento terá reparado também que a seleção nacional, desde 2015, foi sofrendo várias mudanças nos 11 titulares e na adaptação de jogadoras a lugares que não são os seus de origem. Fica sempre a questão de como seria se não fossem efetuadas estas adaptações. Mas, a realidade não deixa mentir, goste-se ou não (incluindo as próprias jogadoras), a prestação da seleção nacional começou a crescer quando estas mudanças foram sendo testadas e efetuadas gradualmente… pessoalmente, considero que estas alterações começaram a ver-se no jogo de qualificação Portugal 1 – 4 Espanha, disputado na Covilhã a 8 de abril de 2016. Se tiverem tempo e alguma paciência façam como eu e vão notar o que quero dizer.
Daí que, regressando ao titulo deste texto “Quo Vadis seleção nacional feminina”, o caminho só pode ser em crescendo. A estratégia está montada e em afinação permanente. Cada vez mais cedo as mulheres e raparigas podem começar a praticar a modalidade de eleição que escolheram. Os quadros competitivos iniciam-se cada vez mais cedo. A possibilidade de jogarem entre e com rapazes só lhes traz vantagens, obrigando-as a desenvolver capacidades e competências para competirem de igual para igual como eles nas idades mais jovens.
As seleções nacionais jovens começam a proporcionar contacto internacional cada vez mais cedo, permitindo o crescimento competitivo das jogadoras mais precocemente (Portugal encontra-se na Holanda a disputar o Torneio de Elite Sub 17 e irá em abril discutir o mesmo torneio em Sub 19). A aquisição de competências técnico-táticas a nível do que melhor se pratica em Portugal começa em idades mais jovens (14-15 anos). Toda esta experiência acumulada é uma mais valia para quando alcançarem a seleção sénior. As diferenças entre as grandes seleções começam a esbater-se em ritmo acelerado.
A seu tempo, todas estas jogadoras vão querer o seu espaço ao mais alto nível… é aqui que os clubes nacionais vão ter que apostar! Na possibilidade de manter todas as jogadoras de topo a competir em Portugal. Para a edição 2019/2020 espera-se que já estejam 4 clubes da Liga Nos a competir de igual para igual na Liga Allianz. Desejo sinceramente que as restantes equipas consigam melhorar as suas condições e possam também manter as suas jogadoras.
A competição europeia de clubes vai ter que ter um representante que consiga passar a fase do mini torneio. Torna-se imperativo que também a este nível se consiga jogar contra as melhores das melhores. Acredito que qualquer dos responsáveis das equipas com mais possibilidade de lá chegarem têm esta ideia em pensamento. Não só no campo desportivo mas também pelo encaixe financeiro que daí advém.
 
O futuro avizinha-se risonho e capaz de nos proporcionar também muitas alegrias, a exemplo do que temos vivido e que nos estamos a habituar: a conquistar troféus mundiais e europeus. Podemos ter tido um período mais longo do que esperado mas antes tarde que nunca.
 
É um enorme orgulho ver o crescimento e consolidação da minha modalidade de eleição. O mérito é da direção da FPF, das equipas técnicas (e restante comitiva, nada se consegue sem o apoio incondicional de todos), mas permitam-me, é especialmente, das jogadoras que atualmente integram a seleção nacional, de todas aquelas que um dia esperam lá chegar e das que estão agora a começar a dar os primeiros pontapés na bola. O futuro pertence-lhes!
Foto: FPF

Eu acredito que vamos espalhar magia por todas as competições e estádios fora! Não sei se iremos estar no Mundial 2019, em França. Qualidade para lá estar não nos falta. Teremos que correr atrás do prejuízo de duas derrotas caseiras. Mas enquanto for possível matematicamente a esperança mantém-se inalterável.

Portugal sempre!
 [texto de Maria João Xavier, originalmente publicadodo em Passes em Profundidade]

2 Replies to “Quo vadis seleção nacional feminina? por Maria João Xavier

  1. Agradeço o seu comentário e permita-me esclarecer o seguinte. As ligações externas são da minha responsabilidade e como tal será direccionado para onde considere pertinente. Sobre o lapso detetado no corpo do texto (36º para 34º) agradeço o alerta e já foi efetuada a devida correção.

    Todavia, se me permite uma outra observação, a indignação que demonstra face a uma notícia que segundo diz “desinforma”, possivelmente, antes de contactar a Lusa e a RTP 1 deveria ter enviado a sua análise para a entidade responsável pela notícia, no caso a FPF. Possivelmente não teria alterado nada mas ficava o registo da sua preocupação.

    Ao não fazê-lo creio que não contribuiu em nada para o esclarecimento dos factos e o único que parece procurar é polémica e criticar pelo mero gosto de criticar. Não acrescenta nada de construtivo, o que é de lamentar, e não colhe qualquer simpatia.

    Finalmente, alegra-me que tenha apreciado o post, visto não ter tecido nenhuma critica ao mesmo.

    Cumprimentos,
    Maria João Xavier

  2. Tendo lido o texto acima com interesse e atenção, sobre o mesmo, mas tão-somente quanto ao que consta no seu primeiro parágrafo, dou nota do seguinte:

    1) Menciona a subida (de 36º para 34º) – que são números que a realidade desmente.

    -> Registou-se sim uma subida do 38º para o 36º lugar, como consta na listagem dos ‘rankings’ divulgada pela FIFA em 23MAR2018.
    http://www.fifa.com/fifa-world-ranking/ranking-table/women/index.html

    2) O ‘link’ indicado – http://www.fpf.pt/pt/News/Todas-as-not%C3%ADcias/Not%C3%ADcia/news/15264 vai dar a uma página do ‘site’ oficial da FPF, a uma publicação titulada:
    “PORTUGAL SOBE DOIS LUGARES NO RANKING FIFA FEMININO”.

    a) Dado o seu teor, com distorções da realidade, quanto ao que oficialmente a FIFA divulga dos respectivos ‘rankings’ do futebol feminino, respeitantes a Portugal, entendi intervir no espaço mediático, dando conhecimento a este ‘portal’ do seu conteúdo, com links FIFA, para esclarecimento.

    b) De igual modo contactei formalmente outras entidades, LUSA e RTP-1, bem como páginas no ‘facebook’, no mesmo sentido – de denúncia e alerta quanto ao publicado pela FPF.

    c) Uma dessas intervenções:

    Na notícia de 23MAR2018, titulada acima, “Portugal sobe dois lugares no ranking FIFA feminino”, desinforma a ‘Federação Portuguesa de Futebol’, através de TRÊS afirmações peremptórias, factualmente erradas e falsas, manipulando dados oficiais dos ‘rankings’ FIFA.

    Estas TRÊS afirmações, nada têm a ver com a realidade:
    “nunca tiveram tantos pontos como agora no ranking: 1632”
    “Portugal passou a ter 1.632 pontos (a melhor pontuação de sempre em valor absoluto)”
    “estando agora na posição 36 (a segunda melhor de sempre)”.

    Dos dados oficiais do ‘ranking’ FIFA, pode afirmar-se, que já se ultrapassaram os 1632 pontos, por CINCO vezes:
    16JUL2003 = 33º (1666 pontos)
    29AGO2003 = 33º (1666)
    24OUT2003 = 32º (1666) http://www.fifa.com/fifa-world-ranking/ranking-table/women/rank=503/index.html
    15DEZ2003 = 34º (1651)
    15MAR2004 = 34º (1650)

    A posição 36, no ‘ranking’ FIFA, NÃO é a segunda melhor de sempre, pois que já houve:
    SEIS = 34º + DOIS = 33º + UM = 32º.

    Para além das já mencionadas:
    07JUN2004 = 34º
    30AGO2004 = 34º
    20DEZ2004 = 34º
    01SET2017 = 34º

    Nada disto é sério.
    Tudo isto é pouco digno.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *