“Senti transmitir através da minha lente todas as emoções do jogo”, Maria Garcia (Sports and Girls)

Maria Garcia é já uma cara bem conhecida dos jogos de futebol feminino, normalmente atrás de uma câmara fotográfica pela Sports and Girls. Nas suas próprias palavras apresenta-se como uma pessoa que “às vezes é forte e fraca, doce e amarga, mas também sou humana e corro um caminho desejosa de não errar. Às vezes, sou comum, outras vezes singular, o que mais valorizo no mundo? Família e amigos. O melhor sentimento? Felicidade. O melhor verbo? Amar. A melhor companhia? A minha máquina fotográfica”.

Maria começou a sua ligação o desporto desde que se conhece  pois, “já no tempo do liceu que a minha parte favorita da escola era os intervalos para poder praticar desporto, comecei no corta mato, passei pelo andebol, basquetebol, volei, futebol e ténis. Esta paixão pelo desporto é eterna mas com o tempo o corpo já não responde da mesma forma e encontrei na fotografia a forma de manter esta relação que tanto prazer me dá”.

Como ia tirando muitas fotos, e depois de falar com alguns amigos, achou por bem iniciar uma página no facebook totalmente dedicada a fotografia desporto feminino: Sports and Girls. “Também ajudou nesta decisão os diversos pedidos que ia recebendo de jogadoras e não só, para lhes facultar o acesso as fotos”.

Primeiro começou por se chamar raparigas que jogam, mas depois e porque começou a ter a colaboração de uma fotógrafa francesa Maya Mans que acompanha o Olympique Lyonnais e tendo sempre no horizonte poder também acompanhar outros campeonatos, resolveu globalizar o nome e passou a ser Sports and Girls.

“Neste espaço toda a gente pode aceder, visionar e fazer download de todo o material gratuitamente, mas claro sem esquecer de referenciar os respectivos créditos, aliás é uma situação muito comum na internet onde rapidamente se apropriam, alteram as fotos sem o mínimo respeito por quem gasta dinheiro em deslocações e material, e perde horas a fotografar”.

Maria tem como objetivo desta página, “poder contribuir de alguma forma para o arquivo histórico das jogadoras, dirigentes, clubes, bem como ajudar na divulgação do desporto no feminino”.

“Tenho tido um bom retorno nas fotos que vou publicando, tanto a nível de partilhas e visitas à página, como em comentários e mensagens privadas que vou recebendo. No fundo é esta a compensação que procuro e que me apraz, quando percebo a valorização que as fotos vão alcançando”.

Relativamente ao tipo de técnicas utilizadas para tirar as fotos mais intensas, Maria refere que  “há três requisitos técnicos para tirar as melhores fotografias; conhecer o assunto, conhecer o equipamento que se usa e ter um bom fluxo de trabalho. Os dois primeiros são essenciais, o primeiro porque quase que nos permite anteceder as jogadas e o segundo permitir rapidez nas decisões definindo qual o modo de exposição e foco. O fluxo de trabalho, é essencial para que todo o processo, da captura ao produto final, seja capaz de produzir as imagens que imaginamos.

Por último é passar praticamente o jogo todo com a máquina colada à cara e acreditar que aquelas jogadoras são pessoas extraordinárias capazes de grandes esforços para jogar bonito, capazes de poder transmitir emoções fortes e espírito de equipa, tenacidade, coragem, respeito, muitas vezes com condições meteorológicas adversas. Combinar isto tudo numa fotografia atraente que transmita todos estes sentimentos é uma vontade permanente.

Apenas um pequeno aparte, é preciso praticar muito, investir muitas horas a fotografar para se conseguir evoluir, não basta chegar ao recinto carregar no botão e já está”.

Maria acrescenta ainda que está “sempre disponível para ajudar todos os agentes desportivos envolvidos, disponibilizo gratuitamente todas as fotos que tiro, quando as equipas me convidam para os torneios ou outros eventos”.

Por fim, quando questionada sobre qual o jogo te deu mais prazer fotografar e porquê, Maria refere que “jogos decisivos são mais apelativos pela carga emocional que contêm por tudo o que acontece, no antes, durante e depois do jogo. É digamos assim um entusiasmo redobrado, nesse sentido e tendo de eleger um jogo diria talvez a supertaça de 2016/2017 realizada na Marinha Grande entre o Valadares e o Futebol Benfica, por ter sido o primeiro jogo em que me senti verdadeiramente a fazer parte do espectáculo, sentindo ao mesmo tempo a responsabilidade de conseguir transmitir através da minha lente todas as emoções para quem não teve a oportunidade estar presente no estádio”.

 

Sandra Costa

O futebol faz parte da minha vida. Desde cedo que jogo futebol e decidi criar o Portal Futebol Feminino em Portugal porque senti que ninguém conhecia, sabia ou falava de futebol feminino.

One Reply to ““Senti transmitir através da minha lente todas as emoções do jogo”, Maria Garcia (Sports and Girls)”

  1. Habituado a ver “portfolios” de Maria Garcia e a guardar umas quantas fotos suas, foi com muito gosto que li este seu deveras interessante registo na primeira pessoa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *