A chance para as Kiwis brilharem

Ali Riley conhece bem o caminho do sucesso. No ano passado, a defensora neozelandesa ajudou o badalado Gold Pride a vencer o título da Women’s Professional Soccer (WPS) nos Estados Unidos. Apesar de jogar ao lado de estrelas como a brasileira Marta e de disputar um torneio que atrai algumas das maiores jogadoras do planeta, Riley impressionou o bastante para faturar o prêmio de melhor estreante da liga americana. Agora, a lateral de 23 anos se prepara para reencontrar Marta no novo clube Western New York Flash, na próxima temporada. Em junho, porém, a atleta nascida em Los Angeles espera poder ajudar a Nova Zelândia a fazer bonito na Copa do Mundo da FIFA Alemanha 2011.

As kiwis, como são conhecidas as jogadoras do país, ainda buscam a primeira vitória em Mundiais. Mas os resultados recentes, somados ao número cada vez maior de neozelandesas que atuam em clubes do exterior, deixam Riley bastante otimista quanto às chances do seu país na Alemanha 2011. A atual Jogadora do Ano da Oceania garantiu ao FIFA.com que a seleção da Nova Zelândia está ansiosa, e pricipalmente confiante, para brilhar na festa máxima do futebol feminino.

FIFA.com: O que você pensa do grupo da Nova Zelândia, que conta com Japão, México e Inglaterra?
Ali Riley: Estou muito animada, pois acho que é uma boa oportunidade para chegarmos à segunda fase. É uma chave bastante competitiva, mas enfrentamos Inglaterra e Japão no passado e temos um bom retrospecto. O torneio será interessante, com tantas equipes jogando em alto nível e tendo feito progressos nos últimos quatro anos. Também estou animada porque conheço muito bem algumas jogadoras das seleções de Inglaterra e México, o que fará da competição algo super especial.

Existe a sensação, no grupo da Nova Zelândia, de que este Mundial pode ser histórico para a equipe?
Temos evoluído e conseguido bons resultados a cada torneio, mas esta é a nossa chance de fazer isso diante de um público global. Espero que possamos atuar com todo o nosso potencial, pois esta é a ocasião de mostrarmos o nosso talento.

O grupo vai se inspirar no êxito recente de outras seleções da Nova Zelândia?
Qualquer desempenho da Nova Zelândia é inspirador, porque existe um sentimento muito forte de honra e orgulho de jogar pelo país. É bom ser o azarão e ter a chance de surpreender outras equipes e superar as expectativas de muita gente.

Com uma ou outra exceção, trata-se de um grupo razoavelmente jovem. Isso tem algum significado positivo ou negativo?
Muitas de nós vieram das equipes sub-20 de 2006 e 2008 e, estando na seleção há tantos anos, já não nos sentimos tão jovens. Em termos de experiência, certamente não somos uma equipe jovem, e acho que isso é o mais importante. Todas nós estamos em forma, fortes e ansiosas para provarmos o nosso valor.

Qual será o nível de preparação da equipe da Nova Zelândia?
Temos um núcleo de jogadoras que atuam em diversas ligas do mundo todo. As que vivem na Nova Zelândia estão treinando e jogando juntas, então existe uma vantagem em ficar no país. Haverá uma dinâmica interessante e acho que isso pode contar a nosso favor.

Estar na Alemanha em junho deve ser algo muito especial…
Será o ponto alto da minha carreira como jogadora. O torneio é um momento incrível para o futebol feminino e representa a oportunidade de mostrar o quanto o esporte avançou.

Quanto a Nova Zelândia evoluiu em quatro anos, desde a China 2007?
Ficamos muito decepcionadas da última vez, mas agora temos muito mais experiência. Todas nós adoramos jogar e somos apaixonadas pelo futebol. Também será a chance para que as atletas ganhem exposição e sejam vistas internacionalmente.

Considerando o seu sucesso nos Estados Unidos, você é veterana na seleção, apesar da relativa pouca idade. Gosta disso?
Adoro fazer parte da seleção. Sinto falta quanto estou longe, pois convivo com as jogadoras há cinco ou seis anos, entre idas e vindas. Sem dúvida, é algo muito gratificante, a melhor experiência da minha vida. Nada se compara com jogar pelo seu país. Disputar a Copa do Mundo e as Olimpíadas é extraordinário.

Pelo que viu, quais são as chances da seleção dos Estados Unidos?
Acho que as americanas se sairão muito bem, como sempre, e sei que elas estão treinando bastante, embora tenham tido um tropeço nas eliminatórias e todos estejam duvidando delas. Elas têm um plantel muito talentoso e estou ansiosa para vê-las jogar.

In pt.fifa.com

Sandra Costa

O futebol faz parte da minha vida. Desde cedo que jogo futebol e decidi criar o Portal Futebol Feminino em Portugal porque senti que ninguém conhecia, sabia ou falava de futebol feminino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *