Alteração às leis de jogo: Substituição de jogadores

Na nossa publicação desta semana vamos falar sobre as alterações à lei da substituição.

A substituição dos  jogadores  só ocorre depois do árbitro autorizar quando o substituto  a entrar em campo e o substituído  já tiver abandonado o terreno de jogo pela linha lateral.

Um dos problemas actuais está relacionado com a perda de tempo útil provocada pelas substituições dos jogadores, por exemplo. Para combater isso, as novas regras deixam claro que o jogador substituído deve abandonar o campo pelo ponto mais perto do local onde estiver, não havendo necessidade de se deslocar até à linha do meio-campo.

Apesar de o futebol ser o desporto mais popular do mundo, as suas regras parecem não ser assim tão claras.

Para tentar acabar com as dúvidas, vamos explicar esta regra de forma simples e detalhada.

Se, por um lado, antes da entrada em vigor das novas regras a maioria dos jogadores  substituídos  o teriam de abandonar o jogo, pela linha do meio campo, o que gerada perda de tempo. Por outro lado, com a alteração que sofreu em 2019, estes devem obrigatoriamente, sair do campo de jogo pela linha de campo mais próxima em relação ao local em que se encontra, salvo indicação em contrário por parte do árbitro principal.

No que respeita ao procedimento de substituição (Lei 3) este deve obedecer a cartas condições, a saber: (i) recebe autorização do árbitro para abandonar o campo, a não se já se encontre fora deste último, devendo fazê-lo como já foi referido anteriormente pelo ponto mais próximo da linha delimitadora, salvo se tiver indicação por parte do árbitro para sair directa e imediatamente pela linha de meio-campo bem como por qualquer outro lugar, por exemplo, em caso de lesão; (ii) este deve sair do terreno de jogo, quer para a área técnica, quer para o balneário, não podendo voltar a participar no jogo, com a excepção das substituições ilimitadas tendo de ser permitidas; e (iii) se este a quando da sua substituição se recusar a deixar o terreno de jogo, este último continua.

Um jogador  que viole esta lei deverá ser penalizado por comportamento antidesportivo, ou seja, atrasar o recomeço de jogo.

Contudo, neste sentido a UEFA também aprovou a quarta substituição nos casos de prolongamento.

A partir da época 2018/2019, as equipas que participam em competições europeia, como a Liga dos Campeões e Liga Europa, as equipas poderão realizar a quarta alteração nos casos de jogo ir a prolongamento, no entanto durante o tempo regulamentar, isto é, durante os 90 minutos mantém-se o limite de três substituições.

A substituição dum jogador por um suplente deve obedecer às seguintes condições: o árbitro deve ser informado previamente de cada substituição pretendida; o suplente só pode entrar no terreno de jogo depois da saída do jogador que vai substituir e após ser autorizado por um sinal do árbitro; o suplente só pode penetrar no terreno de jogo a partir da linha de meio campo e durante uma paragem de jogo; a substituição considera-se consumada no momento em que o suplente entra no terreno de jogo, a partir desse momento o suplente toma-se então jogador e o jogador que ele substituiu torna-se em jogador substituído; um jogador que foi substituído já não pode participar no jogo; todos os suplentes estão sujeitos à autoridade e decisões do árbitro, quer sejam ou não chamados a jogar; uma substituição só pode ser efectuada durante uma paragem do jogo; o árbitro assistente informa o árbitro principal através do sinal convencional que foi pedida uma substituição; o jogador que vai ser substituído, depois de autorizado pelo árbitro, deve abandonar o terreno, a não ser que, por qualquer motivo admitido pelas leis do jogo, já tenha abandonado o terreno de jogo; o árbitro dá autorização ao suplente para entrar no terreno de jogo; antes de entrar, o suplente deve aguardar que o jogador que vai substituir abandone o terreno de jogo; o jogador que vai ser substituído não é obrigado a sair pela linha de meio campo; pode ser recusada uma substituição em determinados casos, nomeadamente, se o suplente não estiver pronto para entrar em jogo; um substituto que não tenha completado o processo de substituição, entrando no terreno de jogo, não pode recomeçar o jogo, executando um lançamento lateral ou um pontapé de canto; se um jogador que vai ser substituído se recusar a abandonar o terreno de jogo, o jogo deverá prosseguir; e numa substituição efectuada durante o intervalo ou antes do prolongamento, o processo de substituição deverá ser efectuada antes do começo da segunda parte ou do prolongamento.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *