Cuéllar: “O 1º jogo será fundamental”

A seleção feminina mexicana se prepara com empenho. Após a surpreendente, mas merecida classificação para a Copa do Mundo Feminina da FIFA Alemanha 2011, as jogadoras vêm seguindo um rigoroso processo de preparação, que inclui torneios internacionais, concentrações e vários amistosos. Tudo o que for preciso para chegar na melhor forma possível ao maior evento da modalidade.

Com isso em conta, o experiente técnico mexicano Leonardo Cuéllar não deixou de planejar absolutamente nada. Assim, os próximos meses já se mostram tão intensos quanto os últimos para um elenco que sonha em entrar para a história já na sua segunda participação no Mundial Feminino. Em meio a todo esse trabalho, o treinador da seleção “tricolor” fez uma pausa para falar com exclusividade ao FIFA.com.

Meses intensos, adversárias de respeito
Atualmente, o México acerta os últimos detalhes para a disputa de um torneio no Chipre, contra algumas das seleções mais importantes do planeta. Cuéllar falou sobre os passos que o grupo vem dando este ano. “No dia 6 de fevereiro começamos a nossa primeira concentração para a Copa do Mundo, com a presença de 20 jogadoras”, explica. “Um grupo vem somente aos fins de semana, enquanto outras atletas ficam juntas em tempo integral. Elas começaram muito bem, com muito entusiasmo e compromisso. O ambiente é ótimo. Tivemos duas semanas de trabalho muito boas. Já esta semana começamos a fazer coletivos, para que possamos realizar uma boa campanha no torneio do Chipre.”

O técnico também contou quais são os objetivos do selecionado para a competição que se aproxima. “No nosso grupo estão a Rússia, a Coreia do Sul e a Irlanda do Norte e ainda jogaremos uma quarta partida contra um adversário que falta definir”, conta. “Temos de começar a ganhar ritmo. Algumas jogadoras não estiveram nas eliminatórias para o Mundial e estamos considerando a possibilidade de elas entrarem na lista final. Agora também poderemos ver de perto as nossas adversárias, já que a Inglaterra e a Nova Zelândia estarão no torneio.”

Será uma boa oportunidade para observar, mas está longe de ser a única. Cuéllar conhece perfeitamente as seleções que o México terá pela frente na Alemanha. “São três selecionados de elite. O Japão é o quarto do ranking mundial. A Inglaterra é uma das favoritas e conta com uma das infraestruturas mais sólidas do futebol feminino no mundo inteiro, com jogadoras de renome e com um novo campeonato nacional. Quanto às neozelandesas, não se dá muito crédito a elas devido à região de onde vêm, mas é um grupo que cresceu muito. Respeitamos todas as adversárias e sabemos da sua importância. Mas não somos menos do que ninguém.”

Desejo de entrar para a história
Ex-jogador da seleção mexicana que esteve na Argentina 1978, Cuéllar é otimista quanto às chances das suas comandadas, apesar de saber que dependerá muito do resultado da estreia contra a Inglaterra. “Depois dessa primeira partida poderemos começar a definir a estratégia para passarmos de fase”, afirma. “Foi o que aconteceu no Mundial Sub-20, que será a base da qual partiremos. Temos sete ou oito jogadoras que disputaram aquele torneio e a experiência delas será fundamental.”

Cuéllar dirige seleções femininas há mais de uma década e, por isso, já acompanhou a carreira de várias atletas. Assim, cabe perguntar o que diferencia a geração que viajará à Alemanha. “Somos um grupo mais equilibrado, que tem mais ritmo, que vem se adaptando melhor às competições internacionais”, analisa. “Além disso, temos uma postura diferente, com menos receio e mais confiança. Estamos entusiasmados com a oportunidade de mostrar um bom trabalho e de revelar as líderes do grupo para os próximos anos.”

Com a vitória sobre os Estados Unidos durante as eliminatórias, a atual seleção criou uma grande expectativa no México, algo que enche o técnico de orgulho. No entanto, ele também tem consciência da responsabilidade que isso implica. “Esta seleção gerou muito interesse”, aponta. “Aliás, algumas emissoras de TV já estão negociando as transmissões ao vivo dos nossos jogos. Será uma grande oportunidade para mostrarmos o nosso talento para todo o país.”

As chances do México giram principalmente em torno da estrela da equipe, Maribel Domínguez, a quem o técnico trata com todo o cuidado. “Teremos de fazer um trabalho muito específico com ela”, diz. “Depois da grande atuação que teve nas eliminatórias, ela se contundiu quando voltou à Espanha. Parece estar recuperada, mas precisaremos cuidá-la de perto, para que ganhe ritmo e possa coroar a sua carreira com um grande Mundial e um bom torneio de futebol nos Jogos Pan-Americanos.”

Para encerrar, Cuéllar revelou a única coisa que lhe tira o sono antes do compromisso na Alemanha. “Todos os dias, cruzo os dedos e peço aos céus para que não tenhamos lesões e que possamos competir com o nosso melhor”, conta. “Esse é o grande risco, porque existem coisas do destino que não se podem mudar. É a única coisa que peço: que a nossa campanha seja definida pelo nosso nível real e não pelas ausências.”

In pt.fifa.com

Sandra Costa

O futebol faz parte da minha vida. Desde cedo que jogo futebol e decidi criar o Portal Futebol Feminino em Portugal porque senti que ninguém conhecia, sabia ou falava de futebol feminino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *