Daniel Sá: Mercado do desporto feminino vai “crescer a grande velocidade”

Foto: Simão Filho
O especialista em marketing desportivo Daniel Sá prevê um crescimento “a grande velocidade” do peso das mulheres no desporto em Portugal nos próximos anos e aponta a falta de visibilidade como o principal obstáculo a um maior equilíbrio.

Em entrevista à Lusa, o diretor do Instituto Português de Administração de Marketing (IPAM) enalteceu a tendência de subida da representação feminina no número de atletas federados a nível nacional entre 2014 e 2017, segundo os dados do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ), em que ascende já a 30% do total de 624.001 praticantes registados no final do último ano.

“Estes números vão aumentar nos próximos anos e as coisas vão caminhar cada vez mais para uma paridade. Há dois fatores muito importantes para o crescimento: a independência da mulher — económica, social e cultural -, e a cultura de beleza e juventude permanente que o mundo tem hoje em dia, uma tendência muito clara e com uma indústria muito poderosa”, explicou.

Representar cerca de metade da população portuguesa nunca correspondeu a uma representação fiel das mulheres no desporto português. No entanto, o equilíbrio não se estabelece de um dia para o outro, advertiu Daniel Sá, apesar de frisar que “os clubes, agentes e organizadores de eventos olham para esse mercado com um potencial muito interessante” e com novas estratégias de comunicação.

“A questão da igualdade não se resolve apenas com a discussão pública do assunto, às vezes demora gerações. Do lado do consumo via espetadores, penso que tem acontecido exatamente o mesmo, ou seja, o interesse das mulheres é cada vez maior. Quer do ponto de vista da prática, quer do ponto de vista do consumo, são mercados muito importantes”, explicou.

Sem conseguir quantificar de imediato a dimensão económica que 185.280 atletas federadas têm ou o valor de muitos milhares que praticam ainda desporto regularmente sem se filiarem numa federação, o professor universitário observa que é preciso uma ação abrangente para mudar a imagem da competitividade no desporto feminino, nomeadamente no futebol, a modalidade mais mediática, ainda que apenas a oitava entre as atletas federadas, entre as quais se inclui também o futsal.

“Por um lado, em algumas modalidades o desporto feminino é menos interessante do que o masculino e, portanto, o produto é inferior e de menor qualidade. Por outro lado, a sociedade, por questões culturais e sociais, está mais interessada em consumir desporto masculino do que feminino. Tem de se atuar nos dois níveis em simultâneo e leva o seu tempo”, notou.

Por fim, Daniel Sá salientou o exemplo do atletismo como uma modalidade não estereotipada por um género em relação a outro, muito por força do que designa por “o culto das estrelas”, cuja influência contribui para um equilíbrio saudável.

“Sempre tivemos grandes vedetas femininas e masculinas. O culto de personalidades, como a Rosa Mota ou a Fernanda Ribeiro, aumenta o interesse. São atletas que, pela sua performance desportiva, ajudaram a colocar as coisas ao mesmo nível”, concluiu.

Por Lusa

In https://www.record.pt/

Sandra Costa

O futebol faz parte da minha vida. Desde cedo que jogo futebol e decidi criar o Portal Futebol Feminino em Portugal porque senti que ninguém conhecia, sabia ou falava de futebol feminino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *