Futebol Português em Tempos de Pandemia

Primeiro adiados, depois suspensos e por fim cancelados. Assim ficam os Campeonatos de Futebol Feminino em Portugal.

 

Uma decisão que se entende, sendo ela necessária para os tempos em que vivemos. As redes sociais estão inundadas de dúvidas e problemas que esta decisão trouxe. Neste artigo de opinião (onde expresso apenas e só a minha visão, sem querer estar com isto mais correto ou errado) irei abordar os principais focos e pontas soltas que são ainda uma incógnita à espera de solução.

Dia 08/04/2020 foi lançado um comunicado no site da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) (https://www.fpf.pt/News/Todas-as-not%C3%ADcias/Not%C3%ADcia/news/26667) que refere que os campeonatos de futebol não profissional organizados pela FPF estão cancelados, não sendo aplicado o regime de subidas e descidas nem atribuído o título de campeão.

Um dos pontos que me cria alguma confusão é a referência à subida de dois clubes (Futebol Masculino) à II Divisão. Mas não tinham referido que não iriam existir subidas e descidas nos campeonatos não profissionais? Entendo que a II Divisão Masculina seja uma competição profissional e não esteja abrangida por estas medidas. Assim sendo, irão existir 2 equipas despromovidas ao Campeonato de Portugal. Mas a partir do momento em que a FPF cria uma excepção (com a subida de dois clubes de um campeonato não profissional masculino), cria, com razão, uma forma das equipas de Futebol Feminino sentirem discriminação por o mesmo não se reflectir na II Divisão Feminina.

Chegamos então a um dos pontos sensíveis deste momento no que se refere à II Divisão Feminina. Como ficam os casos dos clubes que fizeram forte investimento (investimento este que tanta falta faz e que precisa de ter credibilidade perante os investidores) para poderem lutar pelo acesso à Liga BPI? Nem vou olhar para casos individuais, nem para tabelas classificativas, pois com 2 jornadas apenas seria tremendamente injusto falar em quem deveria ou poderia subir, até porque penso que matematicamente podem subir todos. Quero falar pelo todo, pelo respeito geral que tem de existir pelas competições Femininas. Acredito que não deveria existir discriminação entre géneros. Uma das opções passava por simplesmente aplicar o mesmo peso e medida em ambos os Campeonatos (Campeonato de Portugal Masculino e II Divisão Nacional Feminina). Assim, não existindo diferença de tratamento, seria uma resposta forte para quem investe e acredita no Futebol Feminino, pois veriam que foram aplicadas as medidas de forma uniforme, sem olhar a géneros, e que seria tão arriscado investir num clube de Futebol Masculino como num clube de Futebol Feminino. Se esta decisão fosse aplicada desde início, acredito que, melhor ou pior, os clubes iam acabar por se resignar, entender e aceitar as medidas.

Outra das situações é se na próxima época vai existir uma III Divisão Feminina. Penso que sim, pois já estavam definidos os 16 participantes da II Divisão Feminina (ignorando as subidas e descidas da Liga BPI). De qualquer forma, quando se usa a palavra cancelar, podemos também interpretar que na próxima época volta tudo ao mesmo (espero que não, pois seria dado um passo atrás na competitividade dos Campeonatos Femininos). O comunicado deveria precaver todos os problemas que viriam a ser levantados com o seu anúncio e conteúdo.

Refiro por fim o último ponto sobre o qual queria opinar. Quem vai representar Portugal na época 2020/2021 na Liga dos Campeões Feminina? Qual irá ser o critério? Sendo tudo cancelado, será o vencedor da época anterior? Ou vão fazer um Play-off com os clubes que matematicamente ainda podem ser campeões? Para mim terá de ser dessa forma, pois é injusto excluir quem ainda pode ser campeão, independente da carteira mais ou menos cheia.

Entendo que neste momento nenhuma decisão é fácil de ser tomada (é mais fácil ficar aqui como eu a escrever sobre decisões do que ter a coragem de as tomar, sabendo que vai existir sempre quem discorde), a única coisa que peço é que tratem o Futebol Feminino como ele merece ser tratado. Com respeito e igualdade.

 

P.S – Gostava de referir a minha incredulidade quando vejo agentes ligados ao Futebol a puxar a brasa apenas e só à sua sardinha. Isto é uma pandemia e algo que temos de entender como muito acima de qualquer subida/descida de uma equipa de Seniores, Juvenis ou de qualquer outro escalão ou competição. Todos, de alguma forma, perdemos este ano. Alegrias e tristezas. Eu perderia a alegria de ter sido campeão Nacional Sub-19 com o Vilaverdense FC caso isto fosse na época de 2015/2016. Perderia a tristeza de ter descido da Liga BPI se isto fosse há um ano atrás. Resumindo, esta época perdemos todos no futebol. Não vamos perder na vida. A época 2020/2021 vem já aí. Até lá #ficaemcasa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *