“Gostaria de estar na I Divisão Nacional num futuro próximo…ao serviço do FC Romariz”, Ambidestro

Nome: Rita Isabel Castro e Silva

Data de nascimento: 25-07-1986 (33 anos)

Naturalidade: Felgueiras (Portugal)

Clube actual: FC Romariz

2020/21: FC Romariz

2019/20: FC Romariz

2018/19: FC Romariz

A nossa convidada de hoje é uma antiga jogadora de futebol que tem desempenhado funções de mister no FC Romariz. Renovou com o clube e assumirá pelo terceiro ano consecutivo, os destinos das seniores feminino do emblema de Lousada. Considera-se uma treinadora de proximidade e pauta-se pela exigência táctica onde tenta associar a sua ideia de jogo em função do potencial do plantel.

AMBIDESTRO: Olá Rita boa tarde, obrigado por teres aceitado o convite. Sei que iniciaste a tua ligação ao futebol como jogadora, conta-nos em que momento tudo aconteceu e como foi essa fase

Rita: Olá Guilherme, boa-tarde. Antes demais agradeço o vosso convite. Em 2004/2005 o clube da minha terra, Felgueiras, criou a primeira equipa de futebol feminino, e desde logo quis fazer parte, foi uma caminhada que durou cerca de 3/4 anos e depois fui jogar para o Boavista da primeira divisão nacional. Sobretudo, foi uma fase de muita aprendizagem, alegria e de muito crescimento pessoal.

AMBIDESTRO: Que saudades guardas dessa altura ?

Rita: Saudades do companheirismo, do ambiente vivido em ambos os balneários nos diferentes clubes, das viagens antes e depois do jogo, são sempre fases que nos marcam e na qual relembramos com nostalgia..

AMBIDESTRO: Essa experiência como atleta, foi preponderante para as tuas ações como mister ?

Rita: Completamente! Dou por mim a ter certos cuidados hoje em dia, graças à experiência de ter sido jogadora, lembro-me do que sentia quando era substituída, de quando não jogava, da falta que fazia uma pequena palavra do treinador nesse momento, e agora graças a essa aprendizagem, sei o que a minha atleta sente e o que gostaria de ouvir quando acontece essa substituição ou o não jogar, preocupa-me muito o lado humano de cada atleta e como se sente perante as minhas decisões, e sei que podemos minimizar a “dor” se lhe dermos alguma palavra ou simplesmente lhe mostrar-mos o porquê da nossa decisão, aquilo que me “faltou” e me deixou desmotivada, não deixo que falte às minhas atletas. Esta foi a verdadeira aprendizagem que guardei quando passei pelo processo ou pela “transformação” de jogadora para treinadora.

Artigo completo aqui.

Sandra Costa

O futebol faz parte da minha vida. Desde cedo que jogo futebol e decidi criar o Portal Futebol Feminino em Portugal porque senti que ninguém conhecia, sabia ou falava de futebol feminino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *