IFA de acordo com a UEFA sobre o futebol feminino

A embaixadora do Programa de Desenvolvimento do Futebol Feminino da UEFA (WFDP), Steffi Jones, marcou presença numa conferência sobre o desporto feminino na Irlanda do Norte.

A embaixadora do Programa de Desenvolvimento do Futebol Feminino da UEFA (WFDP), Steffi Jones, foi uma das convidadas de destaque que marcou presença numa conferência sobre o desporto feminino na Irlanda do Norte.

A antiga internacional da Alemanha, que iniciou funções na UEFA no passado mês de Outubro, participou no seminário organizado pelo Departamento de Relações Comunitárias da Irlanda do Norte, em conjunto com o departamento de futebol feminino da Federação Irlandesa de Futebol (IFA) e da Federação de Futebol Feminino da Irlanda do Norte (NIWFA).

Foi um dia de inspiração, motivação e informação centrado no futebol feminino, no seu desenvolvimento impressionante nos últimos anos e nos esforços incansáveis realizados na Irlanda do Norte para reforçar as suas actividades neste domínio. A UEFA aprovou o projecto WFDP da IFA, designado Projecto Piloto SCORE: Apoio ao futebol das mulheres e das raparias, que foi criado no âmbito de uma dinâmica pan-europeia em que a UEFA apoia as federações nacionais na realização de projectos no futebol feminino.

A Irlanda do Norte é encarada como tendo um potencial promissor: a IFA está a traçar uma estratégia a longo prazo que inclui, entre outras coisas, o recrutamento de jogadoras, árbitros, dirigentes e treinadores, a melhoria do nível dos clubes, a formação de treinadores e a melhoria dos resultados das selecções nacionais, das seniores aos escalões mais jovens.

O multifacetado projecto SCORE visa, nomeadamente, melhorar a capacidade dos clubes de futebol feminino. Cinquenta voluntários oriundos de vários clubes vão participar em cursos de formação de treinadores de acordo com sua experiência, enquanto “workshops” formativos vão centrar atenções em matérias como a nutrição para as jogadoras do futebol de “raízes”.

Vai realizar-se um programa de desenvolvimento que conta com a participação de 50 clubes e que aborda matérias como a protecção de jovens, gestão de clubes e primeiros socorros, com os clubes a receberem verbas para realizarem sessões de formação em escolas e grupos comunitários. Os 50 clubes comprometem-se a realizar dois campos de férias por ano e vão tentar inscrever pelo menos uma equipa feminina nas Ligas em campo reduzido, que a IFA vai organizar entre Março a Junho do próximo ano.

A UEFA está a dar um novo impulso para a evolução do futebol feminino em toda a Europa, depois de ter traçado uma estratégia alargada para o desporto feminino. Um dos lemas é que: “Todas as raparigas que querem jogar futebol, no seu bairro ou na sua aldeia, devem ter a sua oportunidade, independentemente da capacidade ou talento que possuem, beneficiando de um ambiente seguro para realizarem as suas aspirações.” A Irlanda do Norte tem uma das várias federações que estão a trabalhar intensamente em projectos de futebol de “raízes”, com o apoio da UEFA, para darem a muitas meninas a oportunidade de jogarem.

Danielle McDowell é uma das jogadoras que agarrou a oportunidade. Durante o seminário, a internacional da Irlanda do Norte recordou que sempre quis jogar futebol desde que começou a andar e que transportava sempre uma bola consigo, dentro de um saco plástico, para onde quer que fosse. Para ela não existiam divisões religiosas, só queria jogar e partilhar o desporto que adora.

Os delegados também tiveram oportunidade de participar numa série de “workshops” interactivos informativos sobre temas como mulheres na liderança, barreiras à participação/caminhos para a inclusão, e relações públicas com a imprensa e marketing no futebol feminino. Os “workshops” beneficiaram da colaboração de Kamala Lakhdhir, cônsul geral dos Estados Unidos em Belfast, Kelly Simmons, responsável pelo futebol na Federação Inglesa de Futebol, Sara Booth, coordenadora da IFA para o futebol feminino, e Cassidy Rhoda, da Women’s World United.

“O carácter interactivo dos ‘workshops’ permitiu uma discussão válida e a partilha de informação, mas também o contacto pessoal entre os participantes, criando novas relações e contactos que podem vir a ser úteis para projectos futuros. Viveu-se um ambiente positivo e de determinação durante todo o dia”, afirmou Lisa Rickett, responsável pelas relações na comunidade da IFA.

Steffi Jones e Elaine Junk, presidente da NIWFA, falaram de forma apaixonada e realista sobre o estado actual do futebol feminino e destacaram a reduzida presença de mulheres em posições estratégicas nos cargos dirigentes do futebol. Jones, que depois de ter sido uma jogadora brilhante, passou a desempenhar as funções de embaixadora do futebol feminino, destacou a importância de continuar ligada ao desporto depois de terminar a carreira, para que possa transmitir os seus conhecimentos aos jogadores que se seguem.

In pt.uefa.com

Sandra Costa

O futebol faz parte da minha vida. Desde cedo que jogo futebol e decidi criar o Portal Futebol Feminino em Portugal porque senti que ninguém conhecia, sabia ou falava de futebol feminino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *