Lei 11 – Fora de jogo: Posição de fora de jogo, infrações e sanções

No artigo desta semana vamos falar de uma das leis que causa mais dúvidas num jogo de futebol, quer para árbitros, jogadores ou mesmo adeptos.

Ao longo dos tempos os árbitros têm sido alvo de grandes críticas por parte de adeptos, comunicação social e comentadores de futebol para saber se foi bem ou mal assinalado um fora de jogo.

Estar em posição de fora de jogo não constitui por si só uma infração. Um jogador encontra-se em posição de fora de jogo se: qualquer parte da cabeça, corpo ou pés estiver no meio-campo adversário (excluindo a linha de meio-campo) e qualquer parte da cabeça, corpo ou pés estiver mais perto da linha de baliza adversária do que a bola e o penúltimo adversário.

As mãos e os braços de todos os jogadores, incluindo o guarda-redes, não são considerados. Um jogador não se encontra em posição de fora de jogo se estiver em linha com: o penúltimo adversário ou os dois últimos adversários.

Um jogador na posição de fora de jogo no momento em que a bola é jogada ou tocada por um colega de equipa só deve ser penalizado se tomar parte ativa no jogo: interferindo no jogo jogando ou tocando a bola passada ou tocada por um colega de equipa ou interferindo com um adversário, nomeadamente impedindo um adversário de jogar ou poder jogar a bola obstruindo claramente a linha de visão do adversário ou disputando a bola com o adversário ou tentando claramente jogar a bola que se encontra junto a si quando esta ação tiver impacto num adversário ou tomando uma ação óbvia que tenha um impacto claro na capacidade de o adversário jogar a bola ou ganhando vantagem dessa posição jogando a bola ou interferindo com um adversário quando a bola tenha: ressaltado ou tenha sido desviada de um poste, da barra, de um elemento da equipa de arbitragem ou de um adversário e sido deliberadamente defendida por qualquer adversário.

Não se considera que um jogador tira vantagem da posição de fora de jogo quando recebe a bola de um adversário que jogou a bola deliberadamente (exceto numa defesa deliberada). Uma “defesa” ocorre quando um jogador detém a bola, ou tenta deter, que se dirige para a baliza, ou está muito próxima da mesma, com qualquer parte do corpo exceto as mãos/braços (a não ser que se trate do guarda-redes dentro da sua área de penálti).

Em situações em que: um jogador que se mova de, ou se encontre em posição de fora de jogo, esteja no caminho do adversário e interfira com o movimento do adversário em relação à bola, se tal tiver impacto na capacidade do adversário jogar ou disputar a bola é considerada uma infração de fora de jogo; se o jogador se mover para se colocar no caminho de um adversário e impedir a progressão do adversário (por exemplo bloquear o adversário), a infração deve ser penalizada de acordo com a Lei 12; um jogador que em posição de fora de jogo se movimente em direção à bola com a intenção de a jogar e sofrer falta antes de a jogar ou a tentar jogar, ou esteja a disputar a bola com um adversário, a falta é penalizada, uma vez que tal ocorreu antes da infração de fora de jogo; e uma infração é cometida contra um jogador que já se encontra em posição de fora de jogo a jogar ou a tentar jogar a bola, ou a disputar a bola com um adversário, a infração de fora de jogo é penalizada, uma vez que ocorreu antes da outra infração.

Não há infração de fora de jogo quando um jogador recebe a bola diretamente de: um pontapé de baliza, um lançamento lateral e um pontapé de canto.

Se for cometida uma infração de fora de jogo, o árbitro concede à equipa adversária um pontapé-livre indireto no local onde a infração foi cometida, inclusive se for no meio-campo do jogador. Qualquer jogador defensor que saia do terreno de jogo sem autorização do árbitro deve ser considerado como se estivesse sobre a linha de baliza ou linha lateral, para efeitos de fora de jogo, até à próxima interrupção do jogo ou até que a equipa defensora tenha jogado a bola na direção da linha de meio-campo e até a bola estar fora da área de penálti. Se o jogador abandona deliberadamente o terreno de jogo deve ser advertido quando a bola deixe de estar em jogo.

Um jogador atacante pode sair do terreno de jogo para não estar envolvido no jogo ativo. Se o jogador regressa a partir da linha de baliza e se envolve no jogo antes da interrupção seguinte do jogo, ou a equipa defensora tiver jogado a bola na direção da linha de meio-campo e a bola se encontrar fora da sua área de penálti, deve considerar-se que o jogador está posicionado sobre a linha de baliza para efeitos de fora de jogo. Um jogador que deixe deliberadamente o terreno de jogo, regresse sem a autorização do árbitro, não seja penalizado por fora de jogo e tire uma vantagem, deve ser advertido.

Se um jogador atacante permanece imóvel entre os postes da baliza e no interior da baliza, o golo deve ser validado, a menos que o jogador cometa uma infração de fora de jogo ou uma infração à Lei 12. Nesse caso, o jogo recomeça com pontapé-livre indireto ou direto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *