Lei 4 – O equipamento dos jogadores: equipamento obrigatório, cores, slogans, mensagens, imagens e publicidade e infrações e sanções

No artigo desta semana vamos falar sobre o equipamento dos jogadores, este tem por função distinguir os elementos de cada equipa, devendo ainda conter a numeração e o nome de cada jogador.

Os jogadores não podem usar equipamento ou qualquer artigo que seja perigoso. É proibido o uso de qualquer tipo de jóias (colares, anéis, pulseiras, brincos, fitas em couro ou plástico, etc.), devendo ser retiradas antes do início do jogo. Não é permitido o uso de fita adesiva para as cobrir.

Os jogadores devem ser inspecionados antes do início do jogo e os suplentes antes de entrar em jogo. Se um jogador estiver a usar uma peça de vestuário ou jóia não autorizada/perigosa, o árbitro deve ordenar ao jogador que: retire o artigo em questão ou saia do terreno de jogo, na próxima interrupção de jogo, se ele não pode ou não quis retirá-lo. Um jogador que se recuse a obedecer ou que volte a usar o artigo deve ser advertido.

O equipamento obrigatório do jogador compreende as seguintes peças separadas: camisola com mangas, calções, meias – se fita adesiva ou qualquer material for aplicado ou usado externamente, deve ser da mesma cor que a parte da meia em que é aplicada ou que cobre, caneleiras que devem ser feitas de um material apropriado de modo a garantir uma proteção razoável e devem ser cobertas pelas meias e calçado. Sendo que o guarda-redes pode usar calças de fato de treino.

Se um jogador perder acidentalmente uma bota ou uma caneleira, deve substituí-la logo que possível e, o mais tardar, na paragem de jogo seguinte; se, antes de o fazer, jogar a bola e/ou marcar um golo, este deve ser validado.

 

As duas equipas devem usar cores que as distingam entre si e também do árbitro e dos outros elementos da equipa de arbitragem. Cada guarda-redes deve usar um equipamento de cores que o distinga dos outros jogadores, do árbitro e dos outros elementos da equipa de arbitragem.

Se as camisolas dos dois guarda-redes forem da mesma cor e nenhum deles tiver outra camisola, o árbitro deve permitir que o jogo seja disputado.

As camisolas interiores devem ser da mesma cor da cor predominante das mangas da camisola. Os calções interiores/collants devem ser da mesma cor que a cor predominante dos calções ou da parte debaixo dos calções os jogadores da mesma equipa devem usar a mesma cor.

Os equipamentos de proteção não perigosos, tais como, protetores de cabeça, máscaras faciais, joelheiras e cotoveleiras, feitos de materiais maleáveis, leves e acolchoados, assim como bonés de guarda-redes e óculos desportivos, são autorizados.

Quando são usadas proteções da cabeça (excluindo bonés de guarda-redes), as mesmas devem: ser pretas ou da cor principal da camisola (desde que os jogadores da mesma equipa usem a mesma cor), estar em conformidade com o aspeto profissional do equipamento do jogador, estar separadas da camisola, não constituir perigo para o jogador que a usa ou para qualquer outro jogador (por exemplo, mecanismo de abertura/fecho à volta do pescoço) e não ter partes que se destaquem da superfície (elementos salientes).

Os jogadores (incluindo suplentes/jogadores substituídos e jogadores expulsos) não estão autorizados a usar qualquer forma de equipamento eletrónico ou de comunicação (exceto quando forem permitidos sistemas eletrónicos de desempenho e monitorização). A utilização de qualquer forma de comunicação eletrónica por parte de elementos oficiais da equipa não é permitida exceto quando estiver diretamente relacionada com o bem-estar ou segurança do jogador.

Quando a tecnologia que pode ser usada como parte de sistemas eletrónicos de desempenho e monitorização for usada em jogos integrados numa competição oficial organizada sob a égide da FIFA, das confederações ou das federações nacionais de futebol, a tecnologia associada ao equipamento do jogador tem de conter a seguinte marca:

Esta marca indica que a tecnologia foi oficialmente testada e cumpre com os requisitos mínimos de segurança do International Match Standard desenvolvido pela FIFA e aprovado pelo IFAB. Os institutos que conduzem os testes estão sujeitos à aprovação da FIFA. O período de transição estende-se até 31 de maio de 2018.

Quando forem usados sistemas eletrónicos de desempenho e monitorização (com o acordo da federação membro/organizador da competição em questão): os mesmos não podem ser perigosos e durante o jogo, não é permitido receber ou usar as informações e dados transmitidos pelos dispositivos e sistemas na área técnica.

O equipamento não pode conter slogans, mensagens ou imagens, políticas, religiosas ou pessoais. Os jogadores não estão autorizados a exibir roupa interior com slogans, declarações ou imagens políticas, religiosas ou pessoais ou publicidade para além do logótipo do fabricante. Se for cometida qualquer infração, o jogador e/ou a equipa são sancionados pela organização da competição, pela respetiva federação membro ou pela FIFA.

Por qualquer infração a esta Lei, o jogo não deve necessariamente ser interrompido e o jogador infrator: deve ser instruído pelo árbitro a deixar o terreno de jogo para corrigir o seu equipamento e deve deixar o terreno de jogo na interrupção do jogo seguinte, a menos que já tenha corrigido o seu equipamento.

Um jogador que deixe o terreno de jogo para corrigir ou mudar de equipamento deve: ver um elemento da equipa de arbitragem assegurar-se de que o equipamento do jogador está em ordem antes de o autorizar a reentrar no terreno de jogo e regressar apenas com a autorização do árbitro (que pode ser dada com o jogo a decorrer).

Um jogador que regressa ao terreno de jogo sem autorização deve ser advertido e, se o jogo for interrompido pelo árbitro para fazer uma advertência, deve ser assinalado um pontapé-livre indireto no local em que se encontrava a bola no momento da interrupção do jogo.

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *