Liga BPI: José Rui trocou o SC Braga pelo Gil Vicente

José Rui Pereira começou a sua carreira no futebol feminino no Vilaverdense FC e na última época liderou a equipa Sub-19 do SC Braga. Na época 2020/2021, o técnico assume o leme do Gil Vicente, que irá militar na Liga BPI e partilha os seus objetivos: “O regresso à primeira liga e a grandeza do Gil Vicente foram fatores determinantes e preponderantes na minha decisão em assinar pelo clube. Sou um treinador ambicioso, trabalhador, que gosta de desafios, e vi neste projeto todas as condições para pôr em prática tudo o que fui absorvendo ao longo dos anos. Sabemos das dificuldades que vamos enfrentar, numa época que se avizinha complicada, pelos novos moldes do campeonato, e pela competitividade aí existente, mas sinto uma enorme motivação de todas as partes em querer obter o sucesso. Temos para isso, de encarar todos os jogos de forma séria, determinada e focada em atingir todos os pontos possíveis, para atingir todos os objetivos que visam a permanência e estabilização na liga BPI”.

José Rui engrandece o papel da direção do Clube dizendo que “tem tido um papel irrepreensível no apoio e divulgação do futebol feminino. Espera contudo, que seja executado um trabalho digno do Clube que representamos. Espera competência e trabalho árduo na procura dos trilhos para o sucesso. Criar uma equipa competitiva que ombreie com as restantes equipas do campeonato é o objetivo primordial”.

Novo formato da Liga BPI

Quando questionado sobre o impacto da alteração dos moldes competitivos da Liga BPI na próxima época, mostra-se confiante que a competição irá ser mantida: “Devido à pandemia Covid 19, a FPF viu se obrigada em mudar os moldes do campeonato. Por isso, na época 2020/2021 a Liga BPI terá 20 clubes participantes sendo divididos em 2 séries de 10 equipas. Série Norte e série Sul. Posteriormente, as 4 primeiras classificadas jogam entre si numa série de 8 equipas que apurará o campeão Nacional, e as restantes 12 jogam entre si para apurar quem desce de divisão. Quanto a este novo formato, acredito que será competitivo, principalmente nas segundas fases onde todas as decisões vão estar em jogo. Na primeira fase, classificando se nos primeiros 4 lugares, garante se automáticamente a permanência na 1ª liga e esse será um fator motivador para todas as equipas que à partida, não lutarão pelo título Nacional. Ter depois um playoff na luta pela permanência possibilita às equipas uma segunda oportunidade em tentar encontrar soluções e trabalhar em prole da manutenção.”

Jornal O Desportivo Vale do Homem

Sandra Costa

O futebol faz parte da minha vida. Desde cedo que jogo futebol e decidi criar o Portal Futebol Feminino em Portugal porque senti que ninguém conhecia, sabia ou falava de futebol feminino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *