Mundial: Capitã da seleção dos Estados Unidos confirma boicote a Trump

Em causa está a desigualdade salarial em relação aos homens.

A capitã da seleção de futebol feminino dos Estados Unidos (EUA), Megan Rapinoe, confirmou hoje que não vai visitar a Casa Branca após o Campeonato do Mundo que decorre em França, devido às divergências com o presidente Donald Trump.

SAPO Desporto

Eu mantenho os meus comentários sobre não ir à Casa Branca”, declarou a atacante norte-americana no arranque da conferência de imprensa de antevisão dos quartos de final do Mundial feminino, no qual os EUA vão defrontar a anfitriã França.

E acrescentou: “Eu acho que não vou e encorajo as minhas companheiras a refletirem sobre isto. É uma administração que não pensa como nós e que não se bate pelas mesmas coisas que nós nos batemos”.
A polémica entre Rapinoe e Trump estalou na terça-feira, dia em que foi divulgado um vídeo pela revista Eight by Eight – que terá sido gravado há vários meses – no qual a capitã norte-americana afirmou que não tem intenção de visitar a “merda da Casa Branca”, caso seja convidada, e considerando mesmo que a equipa feminina não vai ser convidada por Trump.

“Megan nunca deve desrespeitar o nosso país, a Casa Branca e a nossa bandeira”, reagiu na quarta-feira o líder dos EUA através da rede social Twitter, depois de já ter criticado Megan Rapinoe durante uma entrevista ao jornal The Hill pela sua atitude de protesto enquanto toca o hino nacional norte-americano antes dos jogos do Mundial (a jogadora não canta, nem coloca a mão no peito).

Trump assegurou já, também via Twitter, que vai convidar a seleção feminina para visitar a Casa Branca em caso de vitória, ou não, na competição.

Mas Rapinoe, que é assumidamente homossexual, não desarma e, hoje, mesmo pedindo desculpa por ter utilizado uma linguagem menos própria na adjetivação que fez à Casa Branca, mantém a sua posição de recusar qualquer convite da Administração Trump.

De resto, a sua posição contra as políticas de Trump, sobretudo, no que toca aos direitos das minorias – como a comunidade homossexual, os cidadãos de raça negra e os emigrantes – já vem de trás, quando, em 2016, se solidarizou com o antigo jogador de futebol americano Colin Kaepernick, dos San Francisco 49ers, que iniciou um protesto contra a injustiça social e racial nos EUA, recusando-se a permanecer de pé enquanto tocava o hino dos EUA, uma atitude que Megan seguiu.

In https://desporto.sapo.pt

Sandra Costa

O futebol faz parte da minha vida. Desde cedo que jogo futebol e decidi criar o Portal Futebol Feminino em Portugal porque senti que ninguém conhecia, sabia ou falava de futebol feminino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

%d bloggers like this: