“O passo é arriscado mas vamos tentar aproveitar”, Paula Cunha D Leça do Balio

Paula Cunha é atualmente Diretora no Desportivo de Leça do Balio, mas teve passagens como jogadora por clubes como o Avanca e o MurtoenseDepois de uma aposta de formação, o Desportivo de Leça do Balio vai arrancar este ano com uma equipa sénior feminina, que irá competir no Campeonato Nacional de II Divisão. Paula explica o porquê deste importante passo.

1.     Do seu ponto de vista, e dado o rápido desenvolvimento do futebol feminino nos últimos anos, o que pensa que mudou?

No meu ponto de vista mudou muita coisa, mas acima de tudo este crescimento exponencial do feminino deve-se a vários factores como a mudança de mentalidades, a abertura e acréscimo de atletas a praticar esta modalidade e a visibilidade a nível mundial e europeu de equipas de futebol feminino.

2.     No entanto, o caminho a percorrer ainda é longo. Do ponto de vista dos clubes em si, o que entende ser o ponto-chave para que a aposta no feminino seja sustentada?

O caminho é longo mas já esteve mais longe, creio que o apoio financeiro aos clubes da parte das Câmaras  Municipais, Juntas de Freguesia Locais e a própria Federação Portuguesa de Futebol o investimento seria uma mais valia para a sustentabilidade desta modalidade.

3.     Acredito que nos tempos em que jogou futebol várias foram as dificuldades encontradas. Poderia revelar aquela que mais a marcou?

Sem dúvida que foram várias desde a jogar com os equipamentos de “sobra” dos seniores , que quase nos caiam ,mas as maiores dificuldades foram sem dúvida as deslocações de mais de 100 km por dia que fazia para ir treinar e jogar. Sem dúvida que era por gosto mas muito dispendioso.

4.     E em termos de conquistas? Qual terá sido para si o momento mais marcante emocionalmente?

Em termos de conquistas, foram várias desde ficarmos nos primeiros lugares da  1ª fase do campeonato da zona centro, de conseguirmos conquistar o lugar na fase final do campeonato e competirmos com as melhores equipas nacionais, de ter sido chamada à selecção distrital de Aveiro e receber uma convocatória da Selecção Nacional todas elas são marcantes, mas se eu escolher o momento que mais me marcou foi sem dúvida a 1ª época no Avanca em que iniciamos uma equipa nova com jogadoras que nunca tinham competido e tivemos uma 1ª volta de derrotas ( não ganhamos um jogo ) mas ao fim desses meses todos sempre juntas e unidas vencemos pela primeira vez, e quando o árbitro apitou para o fim de jogo, foi uma sensação indescritível e ficará sempre na minha memória o festejo da Vitória.

5.     Pergunta difícil…Quando soube que estava na hora de pendurar as chuteiras?

Bastante difícil mesmo. Ao fim de 10 anos, estava a acumular lesões uma bem outras mal curadas e o meu joelho na ultima época já não perdoou … tinha que ser operada. Preferi abandonar o futebol não só pelas mazelas mas também  por motivos profissionais aos 21 anos.

6.     Quais são os conselhos que pode dar a todas as ex-atletas e mulheres que pretendem continuar ligadas ao desporto pós-carreira futebolística?

Só posso pedir que mesmo sendo ex-atletas que unam esforços com a experiência anterior juntamente com a evolução do futebol feminino e acompanhem as nossas atletas e se façam ouvir . Já são muitos anos a ver o futebol como amador, juntas somos mais fortes.

7.     Ser Diretora no Desportivo de Leça do Balio foi sempre o passo óbvio? Ou surgiu inesperadamente?

Se foi óbvio? Não de todo. O meu filho foi para o clube então com 5/6 anos e já vai para a sexta época. Surgiu o convite no mandato da Direcção à 2 anos e se fosse preferencialmente feminino para ajudar e aceitei.

8.     Porquê o Desportivo de Leça do Balio?

Porquê o Desportivo de Leça do Balio? Porque sim porque é o clube da minha Terra, porque tem pessoas fantásticas que trabalham para o clube e fazem de tudo para o clube evoluir e ter uma boa formação, porque somos uma família. E porque uma vez que se entra no clube é difícil sair.

9.     Depois de uma aposta de formação, o Desportivo de Leça do Balio vai arrancar este ano com uma equipa sénior feminina, que irá competir no Campeonato Nacional de II Divisão. Porquê este passo?

O passo é arriscado mas vamos tentar aproveitar esta evolução e abertura para o futebol feminino e porque não? Será um grande esforço da Direcção inicialmente e reorganizarmos para começar sem grandes objectivos e ter um campeonato  tranquilo, criar um bom grupo de trabalho, com muita humildade e agradecer desde já a todas as atletas que se disponibilizaram e que estão por amor à camisola no nosso clube.

10.  Num ano que será batido o recorde de equipas seniores femininas a competir na II Divisão Nacional, assegurar jogadoras vindas das principais equipas da Liga BPI e Campeonato Nacional de II Divisão não deve ter sido tarefa fácil. Qual foi o segredo?

Antes de mais salientar o recorde de inscrições! Estamos em grande! O segredo é e sempre será a união, criarmos as melhores condições para elas e principalmente apoiá-las e que as jogadoras sintam que não estão sozinhas que há pessoas que trabalham em conjunto para elas se sintam em casa e que formem uma equipa equilibrada e saudável no balneário. Uma boa equipa será sempre criada dentro do Balneário. E elas estão unidas e com vontade de trabalhar e isso é o que mais importa.

Muito obrigada pela sua cooperação Paula, os votos de toda a equipa do Portal do Futebol Feminino para que esta seja uma época de sucesso.

Um grande Obrigada ao Portal Feminino pela entrevista e obrigada nós. Será com certeza uma excelente época!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *