Remate Digital: “Acho que nasci com este carinho especial pelo futebol” – Tatiana Pinto

Tatiana Pinto tem 25 anos, joga no Sporting desde 2016/17 e é uma das melhores jogadoras portuguesas da actualidade.

Joga no centro do terreno e concedeu-nos uma entrevista em que aborda alguns momentos da sua carreira, desde os primeiros passos no futebol, as suas experiências no estrangeiro, as suas ambições, entre outros assuntos.

RD: Como surgiu a tua paixão pelo futebol e quando o começaste a praticar?

Tatiana: Ou se nasce ou se ganha o gosto, no meu caso, acho que nasci com este carinho especial pelo futebol. Desde sempre que me lembro de jogar à bola. Tive aulas de piano e fiz maratonas no atletismo mas não era nada disso que me preenchia. Quando aos 6 anos surgiu a oportunidade de me juntar a uma equipa de rapazes, nem pensei duas vezes. Comecei no Oliveira do Bairro Sport Clube, onde fiz toda a minha formação. Um grande obrigada a eles, por sempre me terem tratado tão bem e de igual forma.

RD: Como correram as experiências no Sand da Alemanha e no Bristol da Inglaterra?

Tatiana: Confesso que no Sand as coisas não correram da melhor forma, tinha 18 anos quando fui e não estava mentalmente preparada para um desafio daqueles. No entanto, conheci pessoas que me ajudaram muito e que até à data ainda mantenho contacto. Em Bristol foi realmente tudo diferente. Eu já tinha a percepção das coisas e já sabia o que ía encontrar. Ao início foi difícil, porque o nível de exigência era máximo, mas todas as minhas colegas foram super simpáticas e ajudaram-me a integrar. Costumo dizer que Bristol foi o meu “switch mind”, porque foi onde eu percebi que, se queria ser mesmo jogadora profissional, então eu tinha de trabalhar muito e não fazer só o normal, porque isso nunca chega. Bristol ficou para sempre no meu coração.

RD: Tens alguma ou algumas histórias que nos possas contar sobre essas duas aventuras?

Tatiana:  Em Sand posso dizer que as internacionais tinham um grupo, pois vivíamos todas juntas. Então semanalmente fazíamos jantares temáticos de cada país, era sempre uma animação. Em Bristol tenho muitas histórias, mas para vocês perceberem o nível de exigência, a pre época era tão dura que eu, por vezes, nem conseguia sentar-me numa cadeira sem ter dores.

Leia o artigo completo aqui

In Remate Digital

AnaSilva

Adepta do desporto em geral, mas apaixonada pela modalidade REI (Futebol). Passei a fazer parte deste projecto Portal Futebol Feminino em Portugal com a intenção de poder ajudar na divulgação e promoção do Futebol Feminino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *