Sofia Teles: “Os adeptos estão fartos de polémicas. O futebol precisa de ser mais puro e nós vamos fazer a diferença pela positiva”

No seu segundo ano como diretora do futebol feminino do Sporting de Braga, Sofia Teles viu a equipa minhota roubar o título ao Sporting, depois de já ter erguido a Supertaça no dealbar da época. Para o ano, com a chegada do Benfica, antecipa uma Liga BPI mais complicada, mas nada que intimide a advogada que trocou os tribunais pelo dirigismo de uma modalidade que ainda bate o pé para ser levada a sério. Aos 33 anos, nega ser (muito) refilona com as árbitras e diz não ter ficado surpreendida com a renúncia ao Mundial (que decorre até 7 de julho, em França) de Ada Hegerberg, a primeira Bola de Ouro feminina: “Às vezes é preciso agitar as águas para haver mudanças”

Sofia Teles é diretora do futebol feminino do Sporting de Braga desde 2017/18

Viveu dividida entre os compêndios de Direito e o futebol até ser adulta.
Sim, pode dizer-se que sim. O meu percurso no futebol é um bocadinho fora do normal. Estudei, fiz estágio de advocacia e estava a fazer o mestrado quando decidi que queria começar a jogar futebol de forma mais séria. Joguei cinco anos, mas o futebol foi uma paixão desde sempre. Comecei por jogar com os meus amigos e primos e assisti, desde pequena, a muitos jogos. Prática a sério nunca tive, só mais tarde e numa altura em que o futebol feminino não era o que é agora. Jogava ao final do dia e ao fim de semana. E só se fazia dois ou três treinos por semana.

Começou no Valadares Gaia?
Acabei no Valadares. O meu primeiro clube foi o Salgueiros 08 e depois passei pelos Incansáveis de Gaia. No Valadares iniciei um projeto com mais quatro colegas. Fazíamos uns jogos, até que o presidente do Valadares nos lançou o desafio de formar uma equipa de futebol feminino. Fizeram-se captações e apareceram muitas raparigas. O projeto deu um salto maior quando nos juntámos com uma equipa da zona de Braga e foram para lá a Edite [Fernandes], a Carla Couto, a Mara [Vieira]. Foi sucesso desportivo imediato. Na altura estávamos na II Divisão, subimos na mesma época e fomos à final da Taça de Portugal. Acho que foi a primeira vez que uma equipa da II Divisão foi à final. E, a partir daí, o Valadares manteve-se sempre na I Divisão. A par disso, já estava a estagiar num escritório de advocacia no Porto, com o Dr. Paulo Pimenta, que é agora presidente do Conselho Regional do Porto. E depois fiquei lá a trabalhar…

Ainda trabalhou na Liga Portuguesa de Futebol.
Estive quase um ano a trabalhar no departamento jurídico da Liga e dava apoio ao departamento de competições.

É a única diretora mulher?Fez o curso de treinadora?
Não, nunca quis ser treinadora. Nunca me motivou. Gosto mais da parte administrativa e de fazer as coisas acontecerem, de uma forma diferente daquela dos treinadores. Gosto dos bastidores e da gestão estratégica fora das quatro linhas.

Não. Há a Ana Filipa [Godinho] no Benfica, a Conceição [Pereira] no Ouriense e também havia a Raquel [Sampaio] no Sporting, que entretanto saiu. Há a Mónica Jorge na seleção. Já não somos uma raridade.

Leia o artigo completo aqui

In tribunaexpresso.pt

AnaSilva

Adepta do desporto em geral, mas apaixonada pela modalidade REI (Futebol). Passei a fazer parte deste projecto Portal Futebol Feminino em Portugal com a intenção de poder ajudar na divulgação e promoção do Futebol Feminino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *