“Temos que jogar nas condições em que nos foi apresentada a Liga BPI”, Edite Fernandes

Edite Fernandes é um nome incontornável do Futebol Feminino em Portugal. A jogadora é a melhor marcadora da história da Seleção Nacional feminina, com 39 golos. Edite passou pelo Boavista e 1.º Dezembro. Seguiu-se Espanha, onde jogou no Huelva. Prainsa Saragoça e Atlético Madrid. Representou ainda o FK Donn (Noruega), Team Beijing (China) e Blue Heat (Estados Unidos). Em 2012/13 regressou a Portugal, para o Montra de Talentos/AC Milan, ingressando depois no Valadares Gaia. Seguiu-se o SC Braga por duas temporadas e de seguida o C Futebol Benfica, clube que representa neste momento.

Além de continuar mais uma época como jogadora, pois renovou contrato com a equipa orientada por Madalena Gala, Edite passará também a fazer parte da direção técnica do clube para o futebol feminino, dando apoio igualmente à restante direção do Fofó.

O Portal Futebol Feminino em Portugal questionou a avançada sobre a decisão da FPF na escolha do SL Benfica como representante português na Liga dos Campeões. “A minha opinião em relação a isso é que tendo em conta à situação em que vivemos de pandemia, a escolha se foi por mérito desportivo acho que é aceitável. Isto só se deve por ser um ano atípico e por estar a viver algo que que desconhecíamos. A única coisa que me deixa a pensar é que se foi a escolha por mérito desportivo também deveria ter partido essa solução para outras decisões relacionadas com o futebol feminino e as competições que temos”.

Já em relação ao alargamento da Liga BPI a 20 equipas, a jogadora não se pronuncia muito, pois acredita que “temos que jogar nas condições em que nos foi apresentada a Liga BPI. Portanto como jogadora ainda, só tenho que jogar e fazer o melhor pelo meu clube. No entanto, a jogadora revelou algum ceticismo em relação ao novo molde, em declarações ao jornal O Jogo em junho passado: “Não acho que tenha sido a melhor solução. No entanto, teremos de aceitar essa decisão. Com tantos anos de futebol, só vivi um campeonato assim há 20 anos. Com todo o trabalho, e bom, que a federação fez no futebol feminino durante estes anos, para chegarmos a uma liga com 12 equipas, deixa-me a pensar que se calhar retrocedemos. Há três meses falava-se de uma liga com 10 clubes para os próximos dois anos e de repente passámos para o dobro com duas séries. De qualquer das formas, aquilo em que acredito é que possamos continuar a crescer e a evoluir e o mais importante é dar continuidade a esse processo de desenvolvimento do futebol feminino em Portugal”, analisa.

Neste momento, os clubes da Liga BPI já começaram a sua preparação para a nova época, mesmo sobre o chapéu de uma pandemia que traz algumas restrições. Espera-se que seja possível evitar algum contágio nas equipas, ao contrário do ocorrido nos treinos do Atlético Madrid recentemente.

Sandra Costa

O futebol faz parte da minha vida. Desde cedo que jogo futebol e decidi criar o Portal Futebol Feminino em Portugal porque senti que ninguém conhecia, sabia ou falava de futebol feminino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *