Violência no Desporto e Violência Associada ao Desporto

No artigo desta semana vamos falar num dos fenómenos cada vez mais recorrentes no mundo do desporto, ou seja, a violência no desporto e aquela que está associada ao desporto.

Antes de mais, importa esclarecer os conceitos de violência no desporto e violência associada ao desporto. Apesar de muito parecidos, representam situações diferentes, nomeadamente no que concerne à envolvência do praticante desportivo, e, portanto, devem ser distinguidos.

A violência associada ao desporto situa-se no “plano da violência exógena, que embora originada no recinto desportivo se gera ao seu redor. Esta Envolve sujeitos externos ao espetáculo desportivo, antes, durante ou depois deste, ou seja, é desencadeada por outras pessoas que não os praticantes desportivos, em particular os espectadores.

Já o conceito de violência no desporto “remete-nos para a violência endógena, que se produz entre os praticantes desportivos, no “recinto de jogo”, no desenrolar da competição, isto é, trata-se de uma violência com origem nos protagonistas do jogo, que é consequência direta da prática desportiva.

Atualmente, em Portugal, é a Lei n.º 39/2009, de 30 de Julho (alterada pela Lei n.º 52/2013, de 25 de Julho) que estabelece o regime jurídico do combate à violência nos espetáculos desportivos. Esta lei estabelece ainda o regime jurídico do combate ao racismo, à xenofobia e à intolerância nos espetáculos desportivos, de forma a possibilitar a realização dos mesmos com segurança.

Apesar de extremamente importante, esta lei foca-se, essencialmente, no combate à violência associada ao desporto. Porém, o nosso foco é a violência no desporto, a que tem origem nos participantes do jogo.

A violência no desporto constitui uma das mais significativas violações ao princípio da ética desportiva e do fair-play.

Conhecendo a gravidade deste fenómeno, e numa tentativa de o combater, o legislador consagrou na Constituição da República Portuguesa, art. 79.º, n.º 2, como um dever do Estado, em colaboração com as escolas e as associações e coletividades desportivas, prevenir a violência no desporto.

É inegável o esforço do Estado, das escolas e das associações desportivas no cumprimento deste dever. A questão é que as medidas tomadas (a nível legislativo, através de campanhas contra a violência, as sanções aplicadas, etc.) “não parecem dar qualquer resultado palpável. Pelo contrário, a violência continua a afirmar-se cada vez mais como uma realidade que não se consegue vencer.

Destaque-se que o aumento da violência, mesmo com todas as medidas que têm sido implementadas, é resultado da pressão que se exerce, cada vez mais intensamente, sobre os jogadores e as equipas.

Atualmente o desporto, e principalmente o futebol, movimenta milhões de euros. A diferença entre a vitória e a derrota pode ser muitas vezes a diferença entre obter lucros astronómicos ou prejuízos incalculáveis. Mesmo que o praticante desportivo não tenha noção, o seu comportamento é influenciado e moldado pelo sistema em que se encontra. Portanto, as suas atitudes, nas quais se incluem as condutas violentas, só poderão ser devidamente compreendidas quando integradas neste mesmo sistema.

A violência no desporto é um fenómeno gravíssimo e alarmante e constitui uma das maiores ofensas ao jogo limpo. Se, por um lado, desporto é sinónimo de “formação e recriação do cidadão”, por outro lado, a violência é “o maior contributo para a deformação de um indivíduo. Portanto, a prática do desporto é, ou devia ser, totalmente incompatível com a violência.

Na teoria parece simples combater a violência. O problema é que há uma tendência geral para desculpar a violência perpetrada pelos jogadores. Os comportamentos violentos são aceites e, grande parte das vezes, incentivados e apoiados pelos adeptos e pelos próprios treinadores e dirigentes. Mais, “a recusa em empregar meios violentos é sempre entendida como prova de falta de coragem incompatível com a função do jogador.

 

One Reply to “Violência no Desporto e Violência Associada ao Desporto”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *